Quinta-feira, 28 de Julho de 2005
publicado por JN em 28/7/05

O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas

CONTOS, Editorial Presença, 2002
 

Depois de "O Terceiro Servo", que obteve um excelente acolhimento, Joel Neto mergulha nas  vidas de homens e mulheres comuns e, no entanto, únicos nas múltiplas singularidades. Todas elas entraram, de uma forma ou de outra, na vida do narrador, em Lisboa ou nos Açores, e calaram fundo na sua alma: Norberto Massinga, um polícia negro que todos os dias reúne uma assistência assídua a quem conta histórias na rua; Francisco Alvindo Cordeiro, o tio-avô do narrador, um homem pobre, pequeno e humilde que julga ser James Bond; Pedro Machado de Sousa, para quem a vida se tornou insuportável, pois em todos os sons ouve música; ou ainda, aquele mendigo sem nome que o narrador encontra a cada canto de Lisboa. Instantes díspares de vidas aparentemente longínquas, unidas pelo mesmo olhar que as observa, que se sente próximo, solidário, de alguém que partilhou e aprendeu e se reviu nos seus sonhos, nas fantasias, medos, encantos, desilusões, alegrias, sucessos ou cobardias. Um livro admirável, que nos confronta com as muitas realidades que podem caber na vida humana – e que a Universidade dos Açores adoptou como leitura obrigatória.

 

"Um dos dez melhores livros de 2002."

Helena Barbas, Expresso


“Joel Neto sabe que a ‘tékhné’ é, como em Stanislavski, a verdadeira libertação do talento. E é com esse mesmo talento que ele se permite à auto-ironia e ao humor (...). Por tudo isso, Joel Neto transforma-se numa das melhores vozes de nosso idioma comum, e é escritor que já possui sua marca perene e perceptível, expressão de um processo em que o domínio da técnica constrói sonoros universos de humanidade.”
Luiz Antônio Assis Brasil, DNA – Diário de Notícias

 

“[Com os contos, Joel Neto] Deixa a forte impressão da medida certa, aquela onde a sua linguagem, irrequieta e carregada de sugestões, se torna mais eficaz. (...) O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas revela, também, um viço de efabulação e uma desenvoltura de retrato social e comportamental nada frequentes entre nós. Quase se diria que qualquer afirmação sobre ‘a actual ficção portuguesa’ terá de passar por uma avaliação deste tipo de narrativa, deste destemor, desta louçania.”
Fernando Venâncio, Expresso

 

“Diverti-me imenso. Depois da melancolia d’O Terceiro Servo, que eu já elogiara, Joel Neto volta repleto de humor e de sensibilidade. Para além de tudo, o livro funciona como um pequeno breviário: uma pessoa tem um problema qualquer na vida, vai ao livro e está lá a solução.”
Francisco José Viegas, Lisboa

 

“Muito divertido.”
Marcelo Rebelo de Sousa, TVI

 

“Um notável livro de contos.”
Fernando Alves, TSF

 

“Na escrita de Joel Neto espreita-nos sempre a comédia intimamente ligada à tragédia que é a infelicidade humana. (...) Faz lembrar de modo comovente as histórias minimalistas de um Raymond Carver. (...) Toda uma vida interior, em histórias com princípio, meio e fim, é resumida em frases e alusões fulminantes. (...) Só estes bem conseguidos diálogos simultâneos com o passado e o presente já justificam uma literatura que se torna parte dos arquivos criativos de um país e de uma cultura.”
Vamberto Freitas, Seixo Review

 

“[Joel Neto] Sabe que é nos desperdícios da sociedade que se encontra o cerne das questões. Ao enunciar e ao dissecar essas questões, ele mostra os avessos e os impulsos comportamentais dos seus heróis e, ao fazê-lo, mostra o país real que somos. (...) Importa também revelar o desprendimento com que alimenta a sua forma de narrar, não caindo em tentações moralistas, de quem é capaz de salvar o mundo. (...) Vai universalizando a sua escrita com tenacidade e segurança, sem se deixar aureolar por impressões inconsistentes, mantendo consigo mesmo o compromisso de continuar a perseguir a perfeição.”
Álamo Oliveira, Diário Insular

 

“Joel Neto escreve bem e, ao contrário de muitos dos novos escritores nacionais, não enche a sua escrita de referências intelectuais. O que conta, conta num registo polido e num ritmo empolgante. (...) A ler sem hesitação.”
Martin Avillez Figueiredo, SuperMaxim

 
“Viagem ao mundo das paixões do corpo e da alma, este Citroën é uma bela viagem nos labirintos da vida.”
Fernando Sobral, Diário Económico

 

“Um belo livro. (...) Joel Neto é um verdadeiro contador de histórias. ”
António Tavares-Telles, O Jogo

 

“Este livro questiona o País e leva Portugal a interrogar-se. (...) A profunda interrogação que este livro transporta é sabiamente colocada ao leitor através da aparente leveza do seu conteúdo: só essa aparente leveza poderia trazer até nós tantas feridas. Só essa aparente leveza poderia deixar a nossa consciência absorver tamanha interrogação.”
Ângela Almeida, Fórum Cultura

 

“Este livro faz lembrar alguns aspectos de ‘A Noite e o Riso’, de Nuno Bragança. Desde logo a organização da escrita é de um grande desembaraço, de uma enorme familiaridade com as palavras e com a sua gramática interior. Há também uma nunca esgotada ironia mas, ao mesmo tempo, uma forte capacidade para não deixar resvalar o texto para o tom de ternura lamecha. (...) Uma escrita a descobrir. Há aqui o antigo gosto de contar.”
José do Carmo Francisco, Notícias da Amadora

 

“A consagração de Joel Neto. (...) Joel Neto (Açores, 1974) parece ter-se tornado já no mais bem sucedido, tanto junto do público quanto da crítica, jovem escritor do arquipélago de Nemésio.”
Mil Folhas, Público

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui