Sexta-feira, 10 de Setembro de 2010
publicado por JN em 10/9/10



1.
Gilberto Madaíl foi, desde que vejo futebol, o menos mau presidente que a FPF teve. Cometeu erros, cedeu a compromissos e fez concessões, mas também permitiu que a selecção nacional ganhasse a dimensão que merecia, ajudou a afirmar o nome de Portugal no mundo do futebol e é, aliás, um dos poucos decanos do futebol nacional que as escutas nunca comprometeram.


Entretanto, o seu prazo de validade expirou. Os primeiros sinais têm alguns anos. Desde então, Madaíl pediu carta branca à direcção da FPF e contratou Queiroz por quatro longos e absurdos anos. Depois, e quando as coisas apertaram, rasgou a carta branca e pediu um amplo consenso para dispensar o seleccionador. Finalmente, anunciou a dispensa sem ter ainda um sucessor para apresentar, deixando o país deprimido perante o fim de um ciclo, em vez de animado perante o início de outro.


Madaíl está cansado, adoentado e frágil. Ontem, garantiu que continuará em funções até à assembleia geral que convocou, mas não se pretende continuar em funções depois dela. No seu interesse, espero que não o pretenda. No nosso, não sei. Se bem conheço o futebol pátrio (e a própria Pátria), é bem possível que, daqui, só para pior. Foram muitos anos de boa vida. Está na hora de nova travessia no deserto.


 


2. E o meu candidato à sucessão de Queiroz (rufem os tambores) é: Paulo Bento. Sim, eu sei que o invectivei aqui durante anos a fio. Sim, eu sei que, ainda por cima, tive razão. Mas também sei que, desde então, o Sporting lhe deu uma lição importantíssima – a lição de que ele precisava para que pudesse um dia tornar-se um bom treinador (e, porque não, seleccionador nacional).


Paulo Bento foi a pior coisa que aconteceu ao Sporting, tão simplesmente, porque nunca bateu o pé à administração da SAD, aceitando todas as sucessivas restrições de recursos que lhe impuseram. Entretanto, já o percebeu: afinal, era possível investir, mesmo que agora os jornais decidam chamar “prejuízo” ao balanço que decorre desse investimento – e muito melhor teria feito se o houvesse exigido, sob pena de acabar, como acabou, no papel de Augusto da história.


Temos uma selecção de estrelas, estrelinhas e estrelícias – e Paulo Bento é, por esta altura, o homem certo para domá-las. Líder, mesmo, não o será. Mas será um ditador – e, mesmo que daí não resulte outra coisa senão a profilaxia, essa profilaxia é fundamental. O resto, Paulo Bento já sabe: um seleccionador, como um treinador, tem de funcionar em tensão com os dirigentes. Os brasileiros chamam-lhes “os cartolas” – e fazem bem.


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 10 de Setembro de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui