Sexta-feira, 15 de Maio de 2009
publicado por JN em 15/5/09

Já aqui o disse antes: a última coisa de que os sportinguistas querem agora ouvir falar é do futuro. Do futuro – e nomeadamente de um futuro que nunca chega – já estamos todos nós cheios. Queremos presente. E, querendo presente, estamo-nos (deixem-me usar a linguagem em vigor na Assembleia da República) marimbando para os chamados “jogadores jovens”. Jogador jovem é coisa do futuro. Para o futuro. Já se sabe que, de cada vez que promovemos um, vamos passar mais dois anos só à espera de que encontre o seu lugar em campo.

E, no entanto, é tontice sequer considerar a renovação do contrato de Derlei. Derlei foi um bom jogador de futebol. Falhou no Benfica, mas no Benfica é mesmo assim: quem é bom falha, quem não presta acerta (e, aliás, acerta apenas durante aquelas duas ou três semanas de que a benficagem e a imprensa afecta necessitam para lançar o foguetório que havíamos reservado para celebrar, um dia, a chegada do homem a Marte). Mais: Derlei ainda tem apenas 33 anos, menos dois do que Ryan Giggs ou Javier Zanetti, que vão renovar respectivamente pelo Manchester e pelo Inter – e menos seis, de resto, do que tinha Paolo Maldini quando assinou o último contrato pelo Milan.

Acontece que Derlei já não consegue disputar uma bola sem dar pancada. É honesto, voluntarioso, empenhadíssimo. Quem nos dera a nos ter tido, ao longo destas últimas quatro épocas de depressão, mais sete ou oito como ele (tivemos só Moutinho e Liedson, infelizmente). Mas já não tem, por esta altura, as condições necessárias para jogar no Sporting. E o Sporting tem de limpar o plantel. Não de escroques, que não os há (muitos), mas de jogadores abaixo dos mínimos exigíveis a um jogador do Sporting. O Sporting precisa de um novo presidente. O Sporting precisa de um novo treinador. Mas o Sporting também precisa de novos (como é que se diz?) intérpretes.

O máximo que o Sporting deveria fazer por Derlei, e como sinal de gratidão pelos seus bons serviços, era deixá-lo em banho-maria para uma eventual entrada na equipa técnica da próxima temporada. Derlei tem uma influência positiva nos jogadores que com ele trabalham, segundo garantem muitos companheiros – e, nesta altura de reconstrução, será importante haver entre os treinadores alguém cuja principal incumbência seja a de pedir dedicação à causa. Mas em todo o caso, e por favor, não se ponham também a contratar já os adjuntos que devia ser o próprio Luiz Felipe Scolari a escolher…



PS: deliciosa, a história de uma eventual candidatura de José Veiga ao Benfica. Pinto da Costa ainda há-de conseguir deixar um portista na presidência de cada um dos clubes adversários. Se efectivamente se aproxima o fim do seu ciclo (eu não acredito, mas de dois em dois anos alguém diz que sim), pode ser essa a sua última grande medida: a assinatura definitiva do mestre numa obra absolutamente perfeita.


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 15 de Maio de 2009

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui