Sábado, 26 de Junho de 2010
publicado por JN em 26/6/10



Sempre me perguntei se, quanto ao erotismo, a idade nos actualizaria o gosto. A questão nuclear era: como iria eu, aos sessenta anos, desejar uma mulher da minha idade, se então, que tinha quinze, vinte, vinte e cinco, uma mulher assim só me fazia lembrar a minha avó? O tempo não me trouxe uma resposta cabal, mas tem-me dado pistas. É verdade que, quando eu tinha vinte anos, uma rapariga da minha idade era apenas mais uma rapariga de vinte anos – e que hoje é uma rapariga de vinte anos mesmo, sem “apenas” nem nada. Mas o facto é que uma mulher de quarenta também tem graça – e que, aliás, mulheres de quarenta e cinco, de cinquenta, mesmo de sessenta anos são hoje providas (eu ia dizer “ainda gastam meias-solas”, mas achei excessivo) de um sex-appeal que eu antes não conseguia sequer adivinhar.


O sentido para que apontam todas as pistas que os anos me têm dado é, pois, óbvio: eu nunca vou perceber do assunto. Mas tenho, apesar de tudo, alguns direitos – e um deles é o de recusar os cânones de beleza vigentes, incluindo aqueles que dizem que uma mulher deve ser de dimensões cómodas, com osso mais do que carne e, aliás, voz mais do que ideias. Talvez até isso, bem vistas as coisas, tenha ver com a idade: os antigos da minha terra referiam-se como “perfeita” a uma mulher carnuda– e eu próprio me vejo, hoje, a lembrar-me desse adjectivo quando me cruzo com espécime de tal tipo. Facto: gosto de uma mulher com defeitos – e um ponderado excesso de carnes, às vezes, é o mais belo deles. Bem vistas as coisas, a formosura pode conviver com a gordura. O que não pode nunca é conviver com a transparência, com a falta de história, com a ausência de profundidade.


Isto para dizer que (e agora é como se saltássemos para algo completamente diferente, o problema é que me alarguei no intróito), a partir de certa altura, deixou de ser a beleza a povoar-me as preocupações quanto ao meu próprio excesso de peso. Sempre o tive, em maior ou em menor grau – e sempre o monitorizei em sede de estoicismo, alternando festins com dietas radicais, ócios com exercícios flagelantes. Hoje, faltam-me as forças, falta-me o desejo e falta-me até a vaidade. Estou (cá vai outra vez) mais velho, talvez mais refastelado – e, sobretudo, sei que um homem com um mínimo de volume inspira segurança a uma mulher. Para dizer a verdade, faço um julgamento moral dos homens que têm demasiado cuidado com o seu aspecto. Num mundo tão cheio de tentações, em alguma delas se há-de cair – e antes na boa-mesa do que na droga ou na política.


O problema é que um tipo da minha idade, dado a vícios diversos, com propensão para a nervoseira e, ainda por cima, excesso de peso começa a tornar-se um barril de pólvora. Para além de tudo, eu sei que esse sacana desse fantasma pós-industrial a que decidimos chamar AVC, sintetizando-o numa sigla como antes sussurrávamos a palavra “cancro”, ainda me permitiria talvez escrever, mas não me deixaria já jogar golfe, que é a única coisa que eu gosto mais de fazer do que escrever.  De forma que agora é que é: chegou a altura de controlar o dente. E desta vez (eis, enfim, o que eu queria dizer – e reparem como, incompetente, acabei por guardar a ideia principal para o fim, sujeita a ritmo já meio sumário), não vou guiar-me pelo que dizem os dietistas, a minha mulher ou sequer a sabedoria popular: vou guiar-me pelo palato apenas. Porque os anos também me ensinaram isso: o que sabe bem faz mal.


É queijo fresco, insípido até mais não? Faz bem. É queijo da ilha, picante e seco, mesmo a pedir um Douro? Faz mal. É peru, branco como a esferovite – e, aliás, com um sabor igualzinho ao dela? Faz muito bem, sim senhor. É carninha a sério, com aquele pinguinho de sangue que nos deixa contentes por estarmos vivos? Fuja – faz mal. É abacaxi, sumarento e docinho, lembrando baianas e acarajé? Faz bem “mas”. É ananás, azedo como o diabo, para comer com humildade até que a espinha se contorça num arrepio? Ah, sim, isso é que faz bem mesmo. E por aí fora. Tinha aqui imensos exemplos, mas o espaço acabou. O facto é que, como derradeira ironia após milénios de evolução, temos este paladar que diariamente nos encaminha para a forca. E, se isso não serve como prova de que não há Deus, não sei o que servirá.


CRÓNICA ("Muito Bons Somos Nós"). NS', 26 de Junho de 2010

tags:
4 comentários:
De Manuel da Silva Carvalho a 26 de Junho de 2010 às 23:07
Erotismo nada é mais do que a essência do Ser, essência da Arte, essência do Belo e a essência de todas as reproduções humanas. Sem erotismo nada fazemos bem feito, nada fazemos com dedicação, nada fazemos de verdadeiramente louvável. Sem erotismo até o sexo é grosseiro e frustrante.
Todas as grandiosas criações da humanidade foram concebidas e desenvolvidas com uma psicologia erótica. As curvas e linhas da arquitectura, as formas aerodinâmicas, a literatura o desenho, a pintura, são alguns exemplos do espírito erótico que envolve todas as actividades humanas bem sucedidas
E onde fica o sexo? O erotismo envolve sexo, mas o sexo pode não envolver o erotismo. O erotismo é abrangente. É todo o Universo da essência humana. Um ser humano criativo está sempre à procura de inovação nas suas relações sexuais, transformando-as em efectiva actividade erótica. Usa também plástica do seu corpo, roupas, maquilhagens, complementos. Está estabelecido que o erotismo é uma transgressão baseada no desejo impedido de encontrar a sua satisfação.
De Blondewithaphd a 27 de Junho de 2010 às 12:34
Requeijão regado a mel e nozes: faz bem e sabe melhor. Abacaxi aromatizado com folhas de menta moídas com açúcar amarelo faz bem, sim senhora.
De Marisa a 28 de Junho de 2010 às 13:18
Eu creio que a idade ajuda de facto a perceber as coisas numa perspectiva mais tolerante, sobretudo, e menos preconceituosa. Acontece um pouco o contrário do que diz o Daniel de Sá:"Os olhos amam primeiro/O coração vê depois".
Quanto às dietas é complicado.
De Mena a 25 de Julho de 2010 às 17:02
Ao começar a ler, nunca pensei que o tema principal do post fosse a alimentação, se bem que começando por erotismo e mulheres de quarentas e tais que ainda fazem gastar meias solas (esta parte adorei ehehe), até que podia ser algum tipo de entrada para um daqueles pratos que sabem tão bem e fazem tão mal.
Achei um piadão à forma como os temas foram abordados.
MJ

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui