Sexta-feira, 11 de Junho de 2010
publicado por JN em 11/6/10



Olho para Rúben Amorim e só me lembro de Tiuí. Havia em Tiuí qualquer coisa de estranho: um rosto demasiado convencional, uma coxa demasiado grossa, uma corrida demasiado bamboleante, um ar demasiado aprumadinho. Eu olhava para ele, aquecendo junto à linha de cabeceira, e não me ocorria outra coisa: podia perfeitamente ser um de nós, destacando-se apenas um bocadinho nos nossos solteiros-contra-casados. Não era um futebolista, basicamente – e não foi por marcar dois golos ao FC Porto que se tornou um futebolista. Uma Taça de Portugal não chega para fazer um futebolista. Era preciso um campeonato – e, mesmo assim, muito mais do que dois ou três golos.


Senti o mesmo, desde o princípio, com Rúben Amorim. Olha-se para ele em campo e rapidamente se percebe: ele podia estar em qualquer sítio, que o resultado era o mesmo. Põem-no a médio interior: não compromete. Põem-no a trinco: joga benzinho. Põem-no a lateral-direito: ninguém dá por ele, o que num defesa, mesmo lateral, é sempre pelo menos razoável. E, no entanto, também nunca se espera o que quer que seja dele. Rúben Amorim não falha um passe porque raramente arrisca um passe difícil. Não erra um corte porque normalmente controla o lance à distância. Faz um golo de vez em quando, mas porque leva com a bola – e, se saísse por uns minutos para ir urinar, tenho a certeza de que ninguém sentia a sua falta.


Substituir Nani por Rúben Amorim, e mesmo tendo em conta o reequilíbrio da equipa que tantos e tantos comentadores têm frisado ao longo dos últimos dias, é como substituir uma sequóia por uma acácia, um Maserati por um Opel Corsa, Scarlett Johansson por Winona Ryder. Um acácia também enfeita, um Opel Corsa também chega ao seu destino, Winona Ryder também tem um peito bonito. E, todavia, ninguém perde dois minutos a olhar para eles – e, se em algum momento os manda buscar para fazer as vezes, é depois de ter já concedido que nada será como dantes. E eu preferia Eliseu. Por razões sentimentais (é da minha terra, da minha ilha, da minha cidade e filho da Nené, que faz as melhores catchupas de Angra) e por razões estéticas. O futebol, com ele, é outra coisa: é uma alegria.


Rúben Amorim talvez até dê jeito. Se Fábio Coentrão for preciso na frente, passa Paulo Ferreira para a esquerda e vai ele para a direita. Se Pedro Mendes se lesionar e Pepe não estiver em condições, também não há problema: vai Rúben para o meio. E, se os três guarda-redes apanharem uma disenteria, paciência: aí está Rúben à baliza. Mas quem pode negar que esta selecção só faz sentido se não for preciso mandá-lo aquecer nunca?



ESPECIAL MUNDIAL ("Missão: Arco-Íris"). Jornal de Notícias, 11 de Junho de 2010

6 comentários:
De Jota a 12 de Junho de 2010 às 10:31
Gostei muito desta crónica. Mesmo sendo um orgulhoso proprietário de um Opel Corsa.
De AP a 20 de Junho de 2010 às 01:53
ANTIBENFIQUISTA primata primário, não deves gostar do Angrense, deves puxar mais para o quase extinto Lusitânia ... dá-te ao respeito para ser respeitado
De Frank a 20 de Junho de 2010 às 02:21
Vai pedir ao Micael pa ir jogar! ah calma, só joga 60 minutos! vai pedir ao varela, ah calma partiu a perna! mete o valeri e nao rabuges!
De Ramiro Lopes a 20 de Junho de 2010 às 02:40
Se trocar o Nani é trocar a Scarlett Johansson pela Winona Ryder, troca-la pelo Eliseu é troca-la pela America Ferrera nos seus tempos "Feios"...
Comparar o Amorim ao Tiuí é por uma placa na testa a exclamar:"Venham ver, sou estúpido!"
De Djou20 a 20 de Junho de 2010 às 03:06
Pelos vistos já fez mais que o aquecimento...
De Anónimo a 20 de Junho de 2010 às 03:31
Olha que eu senti o mesmo do Miguel Veloso. Olha-se para ele em campo e rapidamente se percebe: ele podia estar em qualquer sítio, que o resultado era ainda pior. Põem-no a médio interior: é uma merda. Põem-no a trinco: é uma merda. Põem-no a lateral-direito: não lhe apetece jogar. E, no entanto, ainda há burros que ainda esperam o que quer que seja dele.

É muito feio ser anti.

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui