Sexta-feira, 9 de Abril de 2010
publicado por JN em 9/4/10



A
primeira vez que me confrontei com as razões por detrás do rompimento entre André Villas Boas e o Sporting – a chamada gota de água terá sido a contratação de Nuno Dias, sem a anuência do treinador, para o departamento de comunicação do clube – suspirei como suspiram as damas traídas após a primeira traição: “Olhem-me o fedelho! Mas quem é que ele pensa que é?!” Agora, mais a frio, não tenho apenas pena de que o acordo tenha sido desfeito, mas também a certeza de que Villas Boas, sendo ou não o homem ideal, sabia qual o único caminho para a regeneração do Sporting.


Não vou cansar-me de dizê-lo: o treinador é – o treinador tem de ser – a figura mais importante de um clube de futebol. O único clube de futebol vencedor que não gravita em torno do seu treinador é o FC Porto. Mas mesmo o FC Porto já gravitou em torno do seu treinador, nomeadamente quanto Pinto da Costa percebeu que estava há três anos sem ganhar o campeonato e precisava urgentemente de render-se ao élan e à determinação de José Mourinho, sob pena de permitir a eternização daquela que era já a fase mais difícil da história do clube desde que ele próprio, Pinto da Costa, chegara à presidência.


Não, o Sporting não podia ter contratado um director de comunicação sem a aprovação do novo treinador. Independentemente dos méritos e das limitações de Nuno Dias, que foi um excelente profissional da imprensa, é fundamental que o futuro do clube seja gerido como um todo coerente, sem pontas soltas – e é fundamental também que todo esse projecto seja liderado pelo treinador, quem quer que ele seja. O problema, claro, é agora encontrar agora alguém com a paciência e a energia para remodelar todo o edifício em tempo recorde. Ainda por cima com a tarefa inicial de lidar com Costinha, cujos poderes parece saírem reforçados a cada trapalhada.


 


O Benfica-Sporting é o que nos resta de 2009-2010. Por esta altura, já não há-de haver um só sportinguista esperançado em estragar a festa do título ao rival, sonho a que a certa altura se reduziram as nossas expectativas para esta temporada. Mas o derby permanece o jogo mais mágico do futebol português – e vencê-lo não deixaria de trazer um nadinha de alegria à recta final daquela que, temo-o bem, foi a mais desesperante temporada da história deste clube centenário.


Quanto ao resto, apenas podemos pedir que o Benfica perca em Coimbra e nas Antas, que empate com o Olhanense e com o Rio Ave – e que, no fim, como diz aquele grupo do Facebook, nós possamos efectivamente “rir-nos tanto se o glorioso Benfica não ganhar” o campeonato. À cautela, porém, aconselho a reserva imediata de uma escapadinha de Primavera. Consta que a Papuásia-Nova Guiné exibe agora as mais belas paisagens outonais, com lindíssimos contrastes de luz e de cor e, nas zonas mais rurais, as dificuldades de sempre no acesso à rede de telemóvel, à Internet e mesmo à televisão por antena.


 


O duelo entre Lionel Messi e Cristiano Ronaldo pelo estatuto de melhor futebolista de uma geração começa a tornar-se numa das grandes expectativas para o Mundial da África do Sul. Até porque nenhum deles tem propriamente uma tradição de jogar bem na selecção e, de alguma maneira, a diferença estará no grau de superação de cada um deles em relação ao cinzentismo costumeiro.


Torço por Ronaldo, naturalmente. Mas estou solidário com Messi. Nem quero imaginar o que os argentinos lhe farão à pele se não arrancar um Mundial pelo menos sublime…


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 9 de Abril de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui