Sexta-feira, 12 de Março de 2010
publicado por JN em 12/3/10

Não, eu não partilho da excitação de Carlos Manuel: o Sporting não jogou bem em Madrid. Teve alguns bons apontamentos, sim: conseguiu 20 minutos iniciais razoáveis, impondo à defesa adversária um recato de que ela acabou por não conseguir livrar-se; demonstrou alguma solidariedade e alguma sensatez, com toda a gente a acorrer às sobras que lhe cabia acorrer (sem, com isso, desconjuntar o colectivo); e teve, naturalmente, Liedson, o único homem que jogou de peito verdadeiramente feito no Vicente Calderón. Hoje, quando se olha para trás, em busca do que fizemos de bem e de mal ao longo destes cinco anos, a conclusão é inevitável: a melhor coisa que fizemos foi pagar a Liedson um salário tal que ninguém conseguiu vir roubá-lo. O que apenas seria um consolo, claro, se houvesse mais meia dúzia de coisas boas para mostrar.


De resto, o jogo de Madrid foi uma espécie de Belenenses-Dragões Sandinenses em dia de Taça de Portugal. Porque o Sporting não obteve um empate: simplesmente aguentou-se. Porque o Atlético efectivamente não joga quase nada, como o demonstra a pobre campanha realizada este ano na liga espanhola. E porque, se não tivessem sido os dois estapafúrdios cartões amarelos (e o cartão vermelho) vistos por Grimi, talvez não nos houvesse saído da cabeça a ideia de disputar o resultado, com gravíssimas consequências para o saldo final desta participação na Liga Europa. Balanço positivo, pois? Tudo bem: o Sporting não perdeu – e agora joga em casa. Por outro lado, esta continua a ser uma equipa demasiado pequenina para a nossa tradição: uma equipa a jogar para o lado frente a um homólogo, irmão de lágrimas e de frustração.

Portanto, se Maradona estava nas bancadas a torcer pela derrota do Sporting, enraivecido ainda pela dupla humilhação que no passado lhe impôs Ivkovic, isso não é mais do que um sinal de que apenas se lembra do “velho” Sporting, um adversário capaz de, mesmo nos miseráveis anos 80, fazer frente a campeões de Itália e do mundo. Já esta é uma equipa sem laterais, com centrais limitadíssimos, sem criatividade no meio-campo, com mais ninguém no ataque a não ser Liedson – pouco mais, no fundo, do que um Dragões Sandinenses da Liga Europa. E o mais perigoso, nestes pequenos lampejos de vida, é que logo em Alvalade alguém se lembra de que talvez estes jogadores até nem sejam tão maus quanto isso. Mas são – e, por esta altura, até Maradona já o saberá, irritado com a energia desperdiçada em torno de uma causa menor.

Resta-nos, pois, o consolo de que ainda podemos sair daqui com alguma dignidade. “O FC Porto, que é o FC Porto, não o conseguiu”, ouvi eu logo ontem à noite, da boca de um consócio. E, no entanto, o meu confrade sabe tão bem como eu que o FC Porto estava lá, entre os grandes, enquanto nós estamos cá em baixo, no meio dos fracassados – e sabe, sobretudo, que uma equipa que, estando nessa posição, celebra um empatezinho destes, é como aquela pessoa que perde o barco no qual podia dar a volta ao mundo e acaba por confortar-se a si própria com um “Bom, ao menos assim não perco o final da novela...” Não é isto que os sportinguistas querem do Sporting. Não é isso que estes cem anos de história nos impõem. A não ser, claro, que em Maio os rapazes efectivamente nos trouxessem o caneco. Mas diga lá, professor Carvalhal: nós não temos hipótese nenhuma, pois não?


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 12 de Março de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui