Quinta-feira, 11 de Março de 2010
publicado por JN em 11/3/10

Têm toda a propriedade as celebrações que vamos empreendendo em torno dos novos adventos tecnológicos ocorridos no meio televisivo – e pouco tempo faltará para que a TV simplesmente não faça sentido sem as prerrogativas da TDT, da IPTV, da HD, da produção multi-plataformas ou de tantas outras inovações recentes. Até porque a esse salto tecnológico tem correspondido um salto na qualidade da produção, permitindo a este amplo e democrático meio de comunicação manter-se na vanguarda da cultura pop.


Com a televisão 3D, é outra coisa. Num momento em que a Sony se prepara para lançar os primeiros televisores tridimensionais, convém olhar para as mais recentes experiências realizadas, nesse âmbito, no universo do cinema. O que foi Um Conto de Natal, afinal? O que foi, antes dele, A Noite dos Mortos Vivos 3D? O que foi, até, Avatar? Experiências em torno da tecnologia, não mais – exercícios de forma a que o conteúdo não correspondeu, relegando para secundaríssimo plano as personagens, a intriga e os dilemas humanos sobre os quais deve assentar uma ficção.

O problema era expectável: todas as revoluções vêm alcandoradas de um subsequente período de transição e de caos. Mas não deixa de ser aborrecido. Porque o mais que se pode prever agora é que, ao longo dos próximos anos, a TV vire numa espécie de delírio incandescente sem pessoas lá dentro. Haverá abismo, claro – mas será o abismo da própria caixa, não daquilo a que ela servia de meio. E, quando a ficção coloca a tónica na forma, mais do que no conteúdo, uma de duas coisas acontece: ou reescrevemos o Tristram Shandy; ou acabamos a brincar ao fogo de artifício. Quase sempre acabamos a brincar ao fogo de artifício.


CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 11 de Março de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui