Sábado, 6 de Março de 2010
publicado por JN em 6/3/10

Escrevo-vos no domingo – e, como tem acontecido de há tantos domingos a esta parte, chove copiosamente. Alguns acham graça: dispensados de mergulhar no trânsito, põem-se à janela a ver a chuva cair, como se a sua casa, o seu ecrã plasma e o seu bacalhau com natas fossem ameias de uma fortaleza que nada alguma vez abalará a um domingo. Para mim, é um pequeno desastre. Este era o meu domingo: o domingo em que se disputava um torneio essencial para a escolha da selecção que o meu clube de golfe enviará ao campeonato nacional do meu escalão – e, se é verdade que acabei por jogar os 18 buracos da ordem, persuadindo dois mártires a caminhar comigo sob a chuva e a trovoada, também o é que a prova em si foi cancelada e, bem vistas as coisas, o meu domingo se estragou.


Às vezes tento explicar a um incréu o que é que, no golfe, chega para arrancar-me da cama a um domingo de madrugada e fazer-me enfrentar o frio, o vento, a chuva e os trovões para percorrer oito quilómetros a bater com um pau numa bola. Quase sempre se riem. Eu digo-lhes: “O golfe não é só um desporto, mas uma filosofia.” Falo-lhes da insana dificuldade do jogo. Falo-lhes das páginas que Faulkner e Wodehouse e Updike lhe dedicaram. Falo-lhes do convívio quase religioso com outros pacientes da mesma obsessão. Falo-lhes da perfeição daquele exercício físico, do equilíbrio mental a que ele nos desafia, das proezas que nele conseguimos e dos imensos desaires que nele experimentamos. Riem-se. O golfe é um jogo de velhos, dizem. Um jogo de ricos. Um jogo de palermas. E eu, para não erguer as mãos aos céus e parafrasear o Cristo: “Perdoa-lhes, Pai, porque não sabem o que dizem”, rio-me com eles.

Portanto, não é de literatura que me socorrerei para explicar-vos porque é que a candidatura de Portugal à organização da Ryder Cup 2018 é, de facto, um imperativo nacional. Socorro-me de números. Erguida sobre um investimento infinitamente menor do que o necessário (por exemplo) para um Europeu de Futebol, a Ryder Cup pode ter um impacte directo na nossa economia acima dos 250 milhões de euros (como aconteceu em 2006, quando se realizou na Irlanda) e um impacte indirecto que pode ir até mil vezes esse valor. Trata-se, afinal, do terceiro maior evento desportivo do mundo em termos televisivos, chegando a 180 países – e é nesses países que quase 1,5 mil milhões de espectadores se dariam conta do milagre que é, em Outubro, mês em que se disputa a prova, haver um país ocidental repleto de campos de golfe belíssimos, de hotéis fantásticos, de praias convidativas e, entretanto, de sol maravilhoso.

Não será fácil. A candidatura da Holanda parece frágil, mas a Suécia, a Alemanha e a Espanha têm tradições competitivas com que não podemos sequer sonhar. Por outro lado, tanto na Suécia como na Alemanha já faz frio em Outubro, o que poderá fazer pender a balança para os três candidatos do Sul: França, Espanha e Portugal. A França é um pretendente fortíssimo: tem bastante tradição competitiva, tem experiência organizativa e tem algum sol. Mas, se o bom tempo for essencial, como parece que será, Espanha e Portugal levam vantagem. Ora, se ambos têm calor e experiência organizativa, Espanha já foi o palco da única edição europeia da prova disputada fora das ilhas britânicas (1997). Resta Portugal. Problema: Portugal é, com Espanha, candidato à organização do Mundial de futebol desse mesmo 2018 – e em nenhum caso a Ryder Cup Europe permitirá que as competições se cruzem.

É claro que, se Portugal possuísse um jogador de topo, era mais fácil fazer vingar a sua candidatura. É claro que, se Portugal tivesse mais do que os 20 mil golfistas que tem, poderia muito mais eficazmente obter esse major boost para a sua desgraçada economia. É claro que, se os portugueses acompanhassem aquele que é agora o desporto em mais acentuado processo de globalização, era incomparavelmente mais simples provar que qualquer prova golfística aqui realizada seria um sucesso. Mas não. Preferimos rir-nos de quem gosta de golfe, um jogo com 250 anos de tradição (e, aliás, inventado pelos pobres, ao contrário do futebol). Preferimos interpor providências cautelares para salvar três pinheiros podres (como aconteceu no Jamor), obstruindo a construção de uma infra-estrutura modelar para a formação de jogadores. Preferimos mandar fechar um campo de treinos perfeito (como aconteceu nas Amoreiras) só porque não gostamos de ver os ricos brincar. Preferimos exercer o nosso velho ressentimento, a nossa velha inveja, a nossa velha ignorância. Somos assim.


CRÓNICA ("Muito Bons Somos Nós"). NS', 06 de Março de 2010

tags:
1 comentário:
De Manuel da Silva Carvalho a 7 de Março de 2010 às 23:46
A Ryder Cup é uma competição bianual, que confronta as selecções da Europa e dos Estados Unidos desde 1927, e que por motivos diversos se tornou um evento de grande relevo e impacto mediático e desportivo, sendo a terceira competição desportiva mais mediática do mundo a seguir aos Jogos Olímpicos e ao Campeonato do Mundo de futebol.No final do mês passado Jorge Sampaio e Manuel Pinho deram a cara pela candidatura portuguesa à organização da 42ª. Ryder Cup 2018 e que será entregue a 30 de Abril próximo. Esta será a segunda vez que a Ryder Cup Europa é organizada fora das Ilhas Britânicas, depois da edição de 1997 que foi disputada em Espanha. A inclusão de Portugal numa lista onde pontuam também Alemanha, Espanha, França, Holanda e Suécia, reflecte o investimento feito pelo Governo no golfe, através do Turismo de Portugal, e esforço da Federação Portuguesa de Golfe no crescimento da modalidade. O golfe é um dos 10 produtos eleitos como estratégicos para o país, contribuindo anualmente para a visita de mais de 300 mil turistas. Para já, Portugal garantiu o apoio entusiástico do inglês Lee Westwood , vencedor do último Portugal Masters , e do escocês Colin Montgomery , capitão da selecção da Europa da Ryder Cup 2010, dois admiradores rendidos ao clima algarvio. Portugal é um país com características únicas em relação às condições para a prática do Golfe e estabeleceu-se como um dos melhores destinos de Golfe do mundo. Temos Garra. Temos Tudo. Este é o lema que a Federação Portuguesa de Golfe vai usar na candidatura à organização de um dos eventos mais importantes e prestigiados do mundo, a Ryder Cup .

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui