Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010
publicado por JN em 17/2/10

Mário Crespo, já aqui o disse, era o pivot português que mais confortável me fazia sentir enquanto espectador de telejornais. Ao contrário dos seus tempos na RTP, em que pôs em prática um jornalismo algo “espectacular” (mesmo conspícuo), na SIC usou sempre a antena de um modo “suave”, fazendo-se valer da idade, da experiência e até de um saudável “cinismo” para ajudar-nos a formar uma visão sábia e até “existencialista” do mundo. Cada uma destas aspas precisava de uma decifração que não cabe aqui. Mas o essencial é isso: Mário Crespo era o melhor.


O affaire em que se envolveu após o primeiro-ministro supostamente tê-lo considerado “um caso a resolver” (e o JN lhe ter negado a publicação de uma crónica em que o relatava) mudou a sua imagem. Ora, se há uma coisa de que a relação entre o espectador e os seus pivots depende, é da imagem destes. Atente-se nesta expressão: era “confortável” que Mário Crespo me (nos) deixava. Ninguém alguma vez pensou que estava na presença de Bob Woodward, de Seymour Hersh ou de Ryszard Kapuscinski. Era de um descodificador de notícias que se tratava, não de um produtor delas – e muito menos de um protagonista das mesmas.

Dirá Mário Crespo que, ao levar tão longe os seus protestos, em entrevistas sucessivas e intervenções avulsas, fez apenas o seu dever. Talvez o tenha feito. Mas, inevitavelmente, não é o mesmo jornalista que era há um mês. E, mesmo que tenha mudado para melhor, o facto é: a mim já não me serve enquanto pivot de vocação late night, horário em que é suposto respirarmos fundo e olharmos para a marcha das gentes com alguma serenidade, alguma perspectiva, até alguma bonomia. Serei o único?


CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 17 de Fevereiro de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui