Domingo, 31 de Janeiro de 2010
publicado por JN em 31/1/10

O buraco 3, par 5, é em si próprio uma experiência. Com 622 metros de comprimento a partir das marcas brancas (601 das amarelas), é com um misto de orgulho e de ligeireza que ostenta o estatuto de maior da Península Ibérica “e um dos maiores da Europa”. E, no entanto, não se trata apenas de bater a bola em frente. Pode-se começar com o driver, claro – mas é preciso batê-lo direito: um nadinha à direita e a bola desaparece, um nadinha à esquerda e desaparece também. Depois, o quê – uma madeira 3? Lago quase de certeza, na melhor das hipóteses mato da direita (e bola perdida de novo). Valerá a pena, então, bater um ferro médio, seguido de um ferro curto para o green? E se fosse ao contrário das normas estabelecidas – um pitching wedge agora e, mais ali à frente, um ferro 7, quem sabe até um 8, evitando cair na vinha ou na horta que se escondem para lá e à esquerda do green? Em suma: confiamos nos nossos instintos ou é melhor voltar a fazer as contas?


Pois o nosso fim-de-semana no Minho, terra do vinho verde, começa por aqui: pelo belíssimo campo do Axis Golfe Ponte de Lima – e ainda bem que começa. Porque, cinco minutos depois, já estamos a aprender. Dizer que se trata de um campo difícil é eufemismo – é um campo sacana mesmo. Ousa-se um bocadinho e já está: bola perdida no mato. Relaxa-se um nadinha e já está também: sapo garantido na relva humedecida. Confiar na intuição é proibido: é preciso efectivamente medir as distâncias, recorrendo ao cartão e às marcas de tee e fairway, que as perspectivas são mais do que ilusórias. Se em algum campo português se pode dizer que tudo reside na escolha dos ferros, no fundo, é neste. Segredo: gerir o saco como a caixa de velocidades de um automóvel: reduções nas curvas, velocidades mais livres nas rectas – mas nunca cair na tentação da prise e, sobretudo, jamais perder o travão de vista.

Mestres de cerimónias: os irmãos Daniel e David Silva, a melhor dinastia da história do nosso golfe profissional. Desafiados a construir um campo championship na montanha, aproveitando retalhos de terreno dispersos por entre quintas ancestrais e vinhedos pitorescos, recusaram cingir-se ao que parecia haver e decidiram reinventar o espaço. Resultado: um retorcido par 71, com um back nine relativamente benigno, mas um front nine absolutamente desconcertante. Fazê-lo a pé é quase impossível. E, quando um homem chega finalmente à chu-house, confortável, cheia de luz e com uma belíssima vista sobre os mais bonitos fairways da segunda volta, traz duas certezas. A primeira é que, se o jogasse de novo, faria muito melhor. A segunda é que está definitivamente preparado para um fim-de-semana de descanso, tal o desafio a que se submeteu nas três ou quatro horas anteriores.


 


Espera-nos o Aquafalls Hotel & Spa, o primeiro (e único, até ao momento) hotel rural português a merecer a classificação de cinco estrelas – e chegar a ele, mesmo tratando-se da primeira vez, é como regressar a casa. À volta, São Miguel da Caniçada está envolvido em silêncio, agora que a noite caiu. Em baixo, o Cávado é apenas um brando rumor, de resto mal discernível na penumbra. Ao fundo, o Gerês é uma silhueta, não mais. E, no entanto, é como se todos eles estivessem ali connosco: a serra, o rio e a própria floresta – todos ali juntos para nos receberem, na suavidade das mãos que nos cumprimentam, no savoir faire das vozes que nos dão as boas-vindas, na ternura do silêncio, na intensa solidão das tempestades, nos campos alagados, nos sítios sem resposta de que falava o poeta.

Situado nos arredores de Vieira do Minho, a escassos 30 km de Braga, 85 km do Porto e não mais de 100 km de Tuy, na fronteira espanhola, o Aquafalls é pouco menos do que uma epifania. A respeitadíssima Tatler, revista britânica dedicada ao glamour e ao lifestyle, incluiu-o na sua lista dos 101 melhores hotéis de spa do mundo – e facilmente se percebe porquê. Ao todo, são dois quartos, ambos no edifício principal, e 22 suites dispersas por 11 bungalows, todos projectados pela arquitecta Rosário Rodrigues. E cada uma dessas suites é como que um pedaço do paraíso. De tipologia T1 e com terraço privativo, dispõem quase todos de casa de banho com duche e banheira independentes, dois ecrãs plasma (ambos com pacote completo de televisão por cabo, incluindo SportTV), acesso Internet de banda larga e tudo o mais que alguém possa pedir para um fim-de-semana de sonho. Pela manhã, e pedindo o pequeno-almoço no quarto, nem é preciso abrir a porta ao empregado: ao levantar já os croissants estaráo, com o jornal do dia ao lado, num pequeno alçapão lateral, com acesso por dentro e por fora.

Os jardins, embora ainda em crescimento, são outra descoberta. Pequenas alamedas de plátanos e ciprestes ligam recantos com choupos e laranjeiras – e dispersos pelo recinto estão uma quadra de ténis, um campo de mini golfe, um pequeno parque infantil, um miradouro, uma piscina exterior. Mas é lá dentro, no edifício principal, que reside o spa – e nós mal podemos esperar por experimentá-lo Até que pousam em nós aquelas mãos cálidas: duas mãos como se fossem uma só, massajando, dissolvendo-se e logo massajando noutro lugar – e, lentamente, o mundo vai desaparecendo no horizonte, os fracassos e os sucessos profissionais, as tensões e mesmo o amor, a viagem e o próprio jogo de golfe: tudo o que exista para além daquelas mãos e do corpo que elas manuseiam como se lhes pertencesse (ou as mãos a ele). E não é sem alguma frustração que evitamos o ginásio, a piscina e a sauna, a que facilmente recorreríamos só para termos um pretexto para voltar à massagem.


 


Optamos pelo almoço no Splendid, o restaurante do próprio hotel– e, então, o poeta volta a beijar-nos. Ao lado, janelões rasgados oferecem-nos o rio, a montanha, o horizonte. À nossa volta, os restantes hóspedes têm os olhos semi-cerrados – vêm igualmente do spa, naquele estado de cripto-consciência que é quase o espectro, não da morte, mas da vida eterna. E a comida é gloriosa, incluindo, por exemplo, uma perdiz estufada e um bacalhau com migas de broa por que vale esperar um ano inteiro, contanto que a recompensa seja exactamente aquela. Mérito de Jerónimo Abreu, o chef recrutado ao Tivoli Algarve – e mérito, já agora, de Eva, a nossa anfitriã do dia, com o seu riso fácil, o seu ar ao mesmo tempo despachado e ternurento e o seu sólido conhecimento da garrafeira, dos ingredientes a que Jerónimo Abreu recorre, dos significados daquela comida naquele lugar, naquela atmosfera casual chic, neste tempo que vivemos.

Voltamos para o nosso bungalow, para a sua base de granito, para o seu forro de madeira – e, pela primeira vez em muito tempo, dormimos pela tarde fora. Na dia seguinte, sim, partiremos pela região. Visitaremos a vila do Gerês, a montanha sobre ele e o incontornável miradouro da Pedra Bela. Passaremos a barragem, almoçaremos no célebre Abocanhado, em Brufe, e rezaremos uma oração junto ao santuário de São Bento da Porta Aberta, mesmo faltando-nos em absoluto a fé. No fim, deixamos os passeios de jipe e de moto 4, de barco e mota de água, de bicicleta e a pé para outra ocasião. Não levamos filhos na bagagem – e também por isso deixaremos a animação e o baby sitting para uma próxima visita. Acabamos simplesmente vagueando sem destino, pela Caniçada, entre as quintas de castanheiros e os vinhedos que se erguem no ar, às vezes parecendo árvores, outras iluminação natalícia.

No domingo à noite, enquanto fazemos as malas, uma última dúvida nos assalta: voltar já para a cidade ou ficar mais uns dias, ignorando as obrigações e os compromissos, conhecendo um pouco mais desta natureza bela e exuberante, feita de sucessivos anfiteatros debruçados sobre rios românticos e inesquecíveis, nas margens dos quais se aninham os restaurantes mais serenos e generosos – mergulhando na cabidela e nas papas de serrabulho, conhecendo os trilhos pedestres e, já agora, fazendo novo desvio a Ponte de Lima, para ajustar contas com um certo sacana que nos sacudiu como a mantas velhas? Acabamos por fazer-nos à estrada, na certeza de que todas as partidas têm um mérito: quem nunca partiu, não pode nunca voltar. O fim-de-semana perfeito é assim mesmo: aquele de que se parte ao mesmo tempo com a mágoa de partir e a certeza absoluta de que, em breve, se regressará.


 


 


MINHO


GEOGRAFIA: situada na zona noroeste de Portugal continental, é limitada a Norte e a Nordeste pela Galiza, a Este por Trás-os-Montes e Alto Douro, a Sul pelo o Douro Litoral e a Oeste pelo Oceano Atlântico.

VIGÊNCIA FORMAL COMO PROVÍNCIA: 1936-1976

SUB-REGIÕES: 4 (Minho-Lima, Cávado, Ave e Tâmega, as últimas duas partilhadas com a antiga província do Douro Litoral)

DISTRITOS: 2 (Braga e Viana do Castelo)

CONCELHOS: 24

ÁREA: 4928 km

POPULAÇÃO: 1,1 milhões de habitantes

PONTO MAIS ALTO: Serra do Gerês (1545 m)

OROGRAFIA: a costa é baixa e recortada, alternando os pequenos lanços de praia arenosa com os rochedos que as marés cobrem na maior parte da superfície; a zona montanhosa, em anfiteatro para o mar desde as serranias do Gerês, Marão e Montemuro, é cheia de vertentes alcantiladas, propícias ao desenvolvimento de espécies selvagens, sendo por isso uma das regiões do país com mais notáveis belezas naturais

PRINCIPAIS ACTIVIDADES ECONÓMICAS: agricultura (milho e vinha), indústria (têxteis, electricidade, electrónica, confecções, construções mecânicas, celulose, fiação e mobiliário) e serviços

ATRAÇÕES GASTRONÓMICAS: caldo verde, caldo de pobres, bacalhau à Gomes de Sá, bacalhau à lagareiro, bacalhau à Zé do Pipo, arroz de lampreia, angulas com toucinho, cascarra guisada, sável fumado, cabidela de miúdos, rojões, arroz de sarrabulho, arrozada de galerós, aletria, arroz doce, cavaca e sopa dourada, entre outras.

PRINCIPAIS CASTAS DE VINHO: Alvarinho, Arinto, Avesso, Azal Branco, Azal Tinto, Batoca, Borracal, Brancelho, Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Espadeiro, Loureiro, Merlot, Padreiro de Basto, Pedral, Rabo de Ovelha, Riesling, Trajadura e Vinhão.


 


 


AQUAFALLS SPA HOTEL RURAL


PROPRIEDADE: Aquafalls-Gestão e Exploração Hoteleira, Lda

ENDEREÇO: São Miguel, Caniçada, 4850-503 Vieira do Minho (GPS: 41º38’52’’N/8º12’20’’W)

INAUGURAÇÃO: 2008

CATEGORIA: 5 estrelas

DISTINÇÕES: primeiro hotel rural português a obter a categoria de 5 estrelas; “Chave de Ouro” do guia “Boa Cama, Boa Mesa”, do jornal “Expresso”

DIRECTOR: Maria Nunes da Ponte

SÍTIO OFICIAL: www.aquafalls.pt


INFRA-ESTRUTURAS E SERVIÇOS

QUARTOS: 2 quartos e 11 bungalows (num total de 22 suites)

ESPAÇOS: spa, restaurante, bar, sala de pequenos-almoços, auditório, piscinas interior e exterior, quadra de ténis, campo de mini-golfe, miradouro e jardins

ACTIVIDADES: ténis, mini-golfe, natação, caminhada, rotas temáticas, visitas a aldeias típicas, arborismo, desportos náuticos, passeios de bicicleta, passeios de todo-o-terreno, passeios de barco e passeios de moto de água

SERVIÇOS COMPLEMENTARES: estacionamento (gratuito), internet de banda larga em todo o recinto (wireless no edifício principal), personal trainer, baby sitting, lavandaria, loja Sisley, aluguer de buggies

TARIFAS: variáveis, consoante os programas e as épocas do ano (tabela de € 179 a € 324)

RESERVAS: 253.649.000 (tel), 253.649.009 (fax), info@aquafalls.pt(email)


RESTAURANTE (SPLENDID)

GASTRONOMIA: internacional e de autor

CHEF: Jerónimo Abreu

FUMADORES: não

RESERVAS: 253.649.000 (tel)

PREÇO MÉDIO: € 30 por pessoa


ACESSOS

SITUAÇÃO: 55 km a NE da cidade do Porto

ACESSOS: tomar EN 103 na direcção Chaves, cerca de 30 km após a saída de Braga, virar à esquerda na rotunda de Cerdeirinhas (direcção Parada de Bouro), cerca de 3,5 km depois cortar à direita na direcção São Miguel (Caniçada)


 


 


AXIS GOLFE PONTE DE LIMA


PROPRIEDADE: GPL Golfe Ponte de Lima, SA

ENDEREÇO: Quinta de Pias-Fornelos 4990-620 Ponte de Lima (GPS: 41º44’58’’N/8º34’25’’W)

INAUGURAÇÃO: 1995

DISTINÇÕES: não tem

PRINCIPAIS PROVAS: integrou o circuito da PGA Portugal em 1997 e 1998

DIRECTOR: Manuel Francisco Miguel

GOLF-PRO: Alfredo Cunha

Nº DE SÓCIOS: 580

SÍTIO OFICIAL: www.axishoteisegolfe.com


ARQUITECTURA

ARQUITECTOS: David e Daniel Silva

ÁREA: 33 ha

TIPO: montanha, parkland

BURACOS: 18

PAR: 71

COMPRIMENTO: 6005 (brancas), 5653 (amarelas), 4719 (vermelhas)

COURSE RATE: 69,8 (brancas), 67,7 (amarelas), 68,8 (vermelhas)

SLOPE RATE: 145 (brancas), 139 (amarelas), 135 (vermelhas)

DRIVING RANGE: sim

PITCHING GREEN: sim

PUTTING GREEN: sim


QUOTAS, GREENFEES E SERVIÇOS

GREENFEE ANUAL: € 770 (utilização ilimitada)

JÓIA DE INSCRIÇÃO: € 3000 de acção (sócio individual) € 6000 (sócio-empresa)

VOLTA DE 18 BURACOS: € 60 (todos os dias), fora convénios e descontos para jogadores federados (-20 %) e juniores (€ 25)

VOLTA 9 BURACOS: € 28 (todos os dias), convénios e descontos para jogadores federados (-20 %)

PROMOÇÕES ESPECIAIS: Pack de fim-de semana (€ 140, incluindo 2 noites de alojamento, 2 green fees, 2 lanches, 2 pequenos-almoços e 1 jantar; € 85 por cada acompanhante não jogador, com direito aos mesmos extras)

BUGGY: € 20 (9 buracos) € 35 (18 buracos)

CADDIE: não tem

TROLLEY ELÉCTRICO: não tem

TACOS DE ALUGUER: € 30

COURSE GUIDE: não tem

TOKEN: € 1 (25 bolas)

LIÇÕES: € 30 por 30 minutos; € 50 por 1 hora (€ 65 para 2 pessoas, € 80 para 3 pessoas)

MARCAÇÕES: 962.123.784


ACESSOS

SITUAÇÃO: 58 km a NE da cidade do Porto

ACESSOS: pela A3, sair na saída 11 para Ponte de Lima, tomar a EN 201 na direcção Braga e seguir as placas “Golfe”


REPORTAGEM. J, 31 de JANEIRO de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui