Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2010
publicado por JN em 15/1/10

Tenho no meu FaceBook um amigo especial. Não é um amigo, na verdade: é um grupo. Chama-se “Eu Vou-me Rir Tanto Se o Glorioso Benfica Deste Ano Não Ganhar Nada”, foi fundado por uma série de antibenfiquistas primários (que são os melhores) – e, naturalmente, aderi a ele assim que me chegou o convite. Não é segredo para ninguém: o meu futebol começa na rivalidade entre o Sporting e o Benfica, dá a volta ao mundo e termina nela outra vez. Sou de uma terra que oscila entre o verde e o vermelho e sou de um tempo em que subsistiam ainda os gloriosos ecos da gloriosa época do glorioso Eusébio, embora muito depressa o FC Porto tivesse começado a ganhar tudo. Foram muitos anos a levar pancada, no fundo – uma adolescência inteira de fracasso, dor e solidão. Mesmo hoje, o meu futebol é esse, haja ou não sociedades anónimas desportivas, haja ou não assembleias gerais de accionistas, haja ou não comunicações à CMVM. E, efectivamente, desde Maio ou Junho que o sentimento que me vinha tomando era: “Eu vou-me rir tanto se o glorioso Benfica deste ano não ganhar nada…”


Pois esse sentimento abandonou-me. Esse desejo de vingança, essa ansiedade de testemunhar o desastre, essa sede de ser eu próprio a accionar o alçapão – tudo isso me abandonou já. Uma espécie de hipnose colectiva tomou conta deste país. Há como que uma felicidade no ar: vizinhos desavindos reconciliam-se, casais decidem começar a fazer filhos, a própria economia parece preparar-se para respirar de novo. E eu fico preocupado. Às vezes, e estando na companhia de benfiquistas eufóricos, ainda tento pôr alguma água na fervura: “Não subam esse coqueiro todo, amigos. Olhem que é alto.” Dali a pouco, porém, eu próprio sou tomado por uma imensa paz: uma alegria quase juvenil, uma excitação fervilhante que é ainda, apesar de tudo, paz e harmonia. Está Freud às voltas dentro de mim, claro. Também eu tenho algo de benfiquista (o bem e o mal, já se sabe, convivem no homem). E eu próprio me vejo de repente a subir o coqueiro, a reconciliar-me com o meu senhorio, louco por fazer filhos, desvairado por pedir mais um empréstimo ao banco e comprar uma casa nova, um carro de luxo, um cruzeiro à volta do mundo.

De forma que não me mobiliza por aí além este pedido de Pinto da Costa para que o secretário de Estado do Desporto interceda junto das autoridades judiciais no sentido da criação de uma Operação Apito Encarnado. Na verdade, estou convencido de que toda esta trapalhada é involuntária. Tanto quanto percebo, os próprios homens do assobio foram tomados por esse estranho vírus da felicidade, para o qual não parece haver vacina. E assim vão eles connosco, e nós com eles: todos subindo esse coqueiro gigantesco, na ignorância de que lá em cima, apesar de tudo, sopra uma razoável brisa. Pelo que, para bem de todos nós, o melhor é mesmo que o Benfica efectivamente ganhe algo que se veja este ano. Porque de uma coisa eu tenho a certeza: ninguém se vai “rir tanto” se ele não ganhar. Este país ficará, de facto, irrespirável no dia em que a benficagem sair à rua celebrando a sua vitória. Mas é melhor não cutucar a serpente do mal. Antes um país irrespirável do que a malta toda apontando cacos de vidro aos pulsos, a ver se apanha a cauda do cometa. Então, sim, é que esta economia nunca mais recuperava.


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 15 de Janeiro de 2010

7 comentários:
De jorge espinha a 16 de Janeiro de 2010 às 15:23
caro Joel


Homem, você está a fraquejar. Espero que percam tudo sim, já fui o único Sportinguista numa escola primária no Alentejo dos anos 80. Quero que se lixem , que percam pois! Que se sintam muito humilhados .
Nada me dará mais alegria.
De Anónimo a 29 de Março de 2010 às 00:31
já ganhámos
De Anónimo a 29 de Março de 2010 às 00:33
carrega benfica
De Anónimo a 29 de Março de 2010 às 00:34
Invejoso
De da a 29 de Março de 2010 às 04:02
se nada lhe dá mais alegria, nao pode ter uma vida muito rica
De jorge espinha a 29 de Março de 2010 às 09:39
caro da

era uma maneira de dizer.
Ora aqui vão alguns exemplos :
É pá estou podre de sono! (a pessoa não está literalmente em estado de putrefação)
Estou morto de cansaço( está a perceber a ideia?)
Estou todo f*****( o sujeito não foi alvo de múltiplas relações sexuais)

Já agora , pense lá um bocado, a vitória não fica mais saborosa sabendo que milhares de ressabiados como eu ficam todos lixados?
De AP a 29 de Março de 2010 às 11:33
Saberão os benfiquistas onde comemorar o campeonato??!?!?!!?
o cheiro a naftalina via ser insuportável...

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui