Sábado, 9 de Janeiro de 2010
publicado por JN em 9/1/10

Confronto-me com mais um criterioso casting para a capa da Playboy portuguesa e lembro-me de uma anedota da infância. Um homem abastado, pai de uma só filha, recebe em casa um pretendente à mão da miúda. O jantar corre bem: Pedro Miguel está nervosíssimo, Margaridinha idem aspas –mas a mãe, bondosa, desdobra-se em simpatias para com o rapaz e o velho, bem vistas as coisas, podia estar muito mais mal-encarado do que está. Até que a refeição acaba, as mulheres retiram-se para a cozinha e os homens sentam-se junto à lareira, para fumar. “O cavalheiro pretende casar com a minha filha por amor ou por interesse?”, pergunta, enfim, o velho dr. Sousa, cheio de gravidade. O moço pensa, meneia a cabeça, franze a testa. E dispara: “Olhe, doutor, deve ser por amor, porque interesse nela eu não tenho nenhum.”


O mesmo, de alguma forma, se passa com a Playboy portuguesa. Depois de Ana Malhoa, Cláudia Jacques e Cristina Areia, a Playboy-a-que-temos-direito desnuda agora Ruth Marlene, que se faz acompanhar nas fotografias pela sua irmã Jéssica (não, não é brincadeira, a moça chama-se mesmo Jéssica, louvado seja Deus Nosso Senhor, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz). Pois é quanto basta para declararmos consumado mais um feito único da autoria da Playboy portuguesa. Depois de ter sido uma das primeiras Playboys do mundo a colocar um homem na capa (Ricardo Araújo Pereira, na edição de Dezembro), a Playboy portuguesa confirma-se também como a primeira Playboy do mundo que os leitores efectivamente compram pelos artigos. Pelas mulheres que ela lá traz é que ninguém a compra, de certeza absoluta.

Por acaso, estou a ser mauzinho. Na verdade, até tenho bastante ternura por Ruth Marlene, que, depois da última plástica que fez ao nariz, ficou parecidíssima com um candeeiro do Zé Carioca que eu tinha na mesa de cabeceira durante a infância, e à luz do qual praticamente aprendi a ler (devo-lhe tanto, ao diabo do candeeiro). Mais: se alguma coisa tem preocupado a Playboy portuguesa, é fazer as pessoas felizes. Pelo andar da carruagem, não há-de tardar muito até termos a senhora dona Júlia Pinheiro na capa, para infinito deleite de tantos e tantos frequentadores dos centros de dia deste país, tão necessitados andam eles de uma alegriazinha – e, mais tarde ou mais cedo, ainda haverá, enfim, umas páginas para a taróloga Maya, o que, tendo em conta as ansiedades da senhora, não deixa de ser um gesto de uma caridade imensa.

Mas não deixa de provocar-me alguma curiosidade a reacção do velho Hugh, lá na mansão californiana onde costuma mandar uns piropos às coelhinhas antes de mais um crapaud com o motorista (a denúncia não é minha, é de Kendra Wilkinson, uma rapariga que viveu lá ano e meio e só fez sexo duas vezes) a este, digamos, estado de coisas. Quer dizer: como é que os senhores da Playboy portuguesa justificam ao bom do Mr. Hefner as escolhas que fazem para a capa da revista? Pronto, vá lá: não falo de Ricardo Araújo Pereira, que de facto é um naco (embora tenhamos ficado todos com a impressão de que tinha muito mais para mostrar, pois aquilo, no fundo, foram só as covinhas do queixo e mais nada). E também não falo de Ana Malhoa, que como todos sabemos foi a inspiração primeira do estilo de Rhianna (e que, portanto, Los Angeles conhece bem). Mas como explicar-lhe que, onde um dia a Playboy teve Marilyn Monroe, a Playboy portuguesa tenha Cláudia Jacques; que, onde um dia a Playboy teve Jane Mansfield, a Playboy portuguesa tenha Cristina Areia; que, onde um dia a Playboy teve Ursula Andress, a Playboy portuguesa tenha o meu candeeiro do Zé Carioca, ainda por cima acompanhado de um candeeirinho chamado (louvado seja Deus Nosso Senhor, Maravilhoso Conselheiro, Anjo da Aliança) Jéssica?

Pois talvez o elucidem, assim que o velho começar a levantar cabelo: “Mas Hugh (podemos tratá-lo por Hugh?), não se esqueça de que cada uma destas raparigas se despe por apenas 800 euros…” – e o mais provável é que o argumento colha. Efectivamente, e após 55 anos a investir milhões para fazer uma revista que não fosse apenas de divas despidas, Hugh Hefner está agora falido, como se lê por toda a imprensa norte-americana. E talvez seja isso, aliás, a explicar porque é que, depois de tantos velhos empresários de comunicação social terem tentado sem sucesso obter o franchise da Playboy para Portugal, o fundador da revista tenha optado por entregá-la a uns tipos que, para não fazerem uma revista apenas de divas despidas, decidiram fazer uma revista apenas de mulheres nuas.


CRÓNICA ("Muito Bons Somos Nós"). NS', 9 de Janeiro de 2010

tags:
16 comentários:
De Luna a 9 de Janeiro de 2010 às 17:03
Dados os últimos acontecimentos nacionais, diria que a próxima será a Clara Pinto Correia, que também deve andar doidinha.

(Foi preciso esta referência à plástica ao nariz para eu finalmente perceber porque é que não me parecia nada a ruth marlene nas fotos, aliás, nem consegui distingir qual era a ruth marlene ou a irmã.)
De Filipa Gaspar a 10 de Janeiro de 2010 às 08:12
De facto as capas da Playboy portuguesa nada têm que ver com as capas internacionais. Não que tenham sido todas más, mas de facto poderia haver uma selecção mais criteriosa. A última capa foi realmente o descalabro. Oxalá os Srs da Playboy se lembrem de melhorar as suas capas. Caso contrário acho que a revista acabará em menos de nada.
De Jorge a 10 de Janeiro de 2010 às 10:10
Quem escreveu este artigo, deveria emigrar urgentemente para os Estados Unidos, para se sentir melhor.
Nós por cá, ficamos bem com as portuguesas que temos, obrigado.
De Luis Felix a 10 de Janeiro de 2010 às 10:34
Meu caro Joel, por aquilo que pagam às raparigas, 800 euros não é?, e ainda por cima atrasados segundo consta, as escolhas só podem ser assim e no caso da Ruth ela até mostrou mais do que as anteriores pelo que não recebendo mais, devia pelo menos ser paga na hora.

Um abraço
De jonasnuts a 10 de Janeiro de 2010 às 11:58
Este post está em destaque na Homepage do SAPO.
De C.Morais a 10 de Janeiro de 2010 às 12:18
Parabéns pela sua escrita. De facto é uma pobreza Franciscana o resultado das escolhas da dita revista; comprei uma para mandar a meu cunhado na Austrália e ele respondeu que já privou com cangurus mais dotados!
De Rita a 10 de Janeiro de 2010 às 17:58
É por estas e por outras que este país ainda está como está. Assim que alguém questiona (neste caso e bem) o que quer que seja, vem logo um parolo dizer "se estás mal, vai para outra terra!". E assim vamos andando com as Ruths, as Marlénes, e as Jéssicas...

Bom artigo, Joel. Mau comentário, Jorge.
De ex-tranxeiro a 10 de Janeiro de 2010 às 19:09
Apesar da matéria ser realista, não aponta o principal requisito para se fazer uma boa capa da Playboy ou de qualquer outra revista masculina.

O ingrediente básico de qualquer revista deste gênero é MULHER !

Sim, MULHER, boa, bonita, com atitude e que queira se despir. Pronto.

Agora, sejamos honestos não acredito que os responsáveis da Playboi nacional quereriam meter a Rutinha em vez da de qualquer uma das modelitos loucas pra ascenção rápida.

A dura e crua verdade, NÃO HÁ MULHERES EM PORTUGAL PREPARADAS PRA SER COELHINHA DA PALYBOY QTO MENOS PLAYMATE. Period !
De blayer a 10 de Janeiro de 2010 às 19:50
O que me desilude não é a Ruth ter possado com a irmâ, mas sim o Ricardo Araújo Pereira não ter possado com o Zé Diogo Quintela.
De César a 10 de Janeiro de 2010 às 22:35
GENIAL XD

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui