Sábado, 6 de Dezembro de 2008
publicado por JN em 6/12/08

No Japão, dá-se o nome de chikan aos homens que apalpam as mulheres no metro. No Peru, chama-se bridgeros aos rapazes que chulam as turistas. Na África do Sul, na Bolívia e de novo no Japão – por todo o lado abundam relatos sobre viajantes solitárias assediadas, agredidas, violadas. E, porém, as mulheres viajam cada vez mais sozinhas. Dizem estudos recentes que já viajam até mais do que os homens – e que, aliás, são melhores viajantes, fazendo compras em vez de passarem tardes a jogar golfe, contactando com a cultura local em vez de ficarem a ver televisão até à hora da farra. Assim à primeira, eu diria que a dicotomia é simplista. Mas a verdade é que os ditos estudos se baseiam não só em inquéritos a turistas, classe por que sempre grassou alguma gabarolice, mas também a industriais hoteleiros, sector que brinca menos em serviço. E, inevitavelmente, o mercado adapta-se. Companhias aéreas, resorts, países inteiros – não há ninguém que não tenha já investido ao menos num site sublinhando as vantagens do seu serviço para mulheres sozinhas. Há hotéis que já só aceitam clientes do sexo feminino. Outros, mais comedidos, que lhes reservam um andar completo. E outros ainda que vão adoptando uma nova decoração, mais atenta aos detalhes e na qual a ergonomia do colchão, o asseio do WC e a qualidade da lima das unhas saem beneficiados em relação ao tamanho da TV, à vista da janela e ao recheio do minibar. É um novo mercado, no fundo – e em tal expansão que os editoriais de certas revistas de viagens já acabam com frases tão lapidares como: “De facto, mais vale só.”

Nem preciso de dizer-vos o que pensa disso este jovem precocemente envelhecido, conservador e cínico, céptico quanto à bondade humana e assustado com qualquer possibilidade de alteração do status quo que resulte em desfavor do como-deve-ser. Basicamente, pensa a mesma coisa que sobre as revistas especializadas no combate ao casamento e sobre as jovens executivas que as lêem nas esplanadas, nos longos Sábados em que saltitam de um brunch com amigos para um chá com amigas e de um jantar com amigos de amigas para uma cama vazia: que as primeiras são sanguessugas da solidão e que as segundas compram tudo o que possa servir de placebo à sua tristeza. No essencial, só usa ditados como “mais vale só do que mal acompanhado” quem nunca teve o privilégio de dar por si bem acompanhado – e que, tragicamente, já desistiu de procurar boa companhia. Não deixa de ser curioso, aliás, que um dos poucos relatos pessoais compilados pela revista que há dias fazia a apologia das viajantes solitárias fosse o de uma executiva deleitada com a memória de um árabe que se oferecera para comprá-la e, acto contínuo, casar-se com ela. No fundo, andamos todos ao mesmo, ainda que nos acreditemos confortáveis sem andar a nada – e não é por os chikan e os bridgeros serem recorrentemente considerados “uns chatos” que não representam, eles próprios, uma pequena oportunidade a que a viajante só não acedeu por vergonha.

Há uns meses, recebi um email da Andreia, que foi minha colega num banco. Está bem: o nome é fictício, a actividade que desempenhámos juntos também. Ora, dizia ela que “olá”, que “há que tempos”, que agora era “viajante incansável”, que escrevia sobre as suas “muitas viagens”, que gostava de publicar as suas “memórias” e que “lololol”. Achei graça – e fui ler. Tinha andado, de facto, por um bocadinho de mundo, a Andreia – inclusive por todos aqueles lugares onde os moderninhos estão agora proibidos de dizer que nunca foram, como Nova Iorque, Bali e (claro) a Patagónia. As crónicas traziam fotos a acompanhar – e em todas Andreia estava sozinha, colhendo flores diante da Governor’s Island ou lendo em frente ao Perito Moreno enquanto, à sua volta, casais namoravam sem se darem conta da estátua ou se atingiam com bolas de neve sem sequer olharem para o glaciar. Os textos eram de uma ingenuidade desconcertante. Não pela ignorância, que a temos todos, mas porque Andreia escrevia como se efectivamente acreditasse que mais nenhum português, ou mesmo mais nenhum ser humano, tivesse alguma vez posto os pés naquelas paragens longínquas, explicando ao pormenor as coisas mais óbvias, contando em delírio os episódios mais banais e descodificando fascinada os costumes mais cliché. Sugeri-lhe que abrisse um blog. Ficou chateada, E, agora que penso nela, tenho de concordar com os novos editores de viagens: “de facto”, mais vale viajar só, com liberdade para ver televisão, do que acompanhado de uma mulher habituada a andar sozinha.


CRÓNICA ("Muito Bons Somos Nós"). NS', 6 de Dezembro de 2008

tags:
2 comentários:
De ana celeste mendes a 10 de Agosto de 2009 às 10:33
este texto é um texto importante (não que os outros não sejam, óbvio, mas este é um texto importante). Porque identifica a arrogância disfarçada e desmistifica a esta coisa moderna dos solitários em nome não sei de quê. Como se viajar acompanhado, mais, como se partilhar a vida e logo as viagens, fosse coisa dos fracos, dos que não conseguem enfrentar-se a si e ao mundo sem amparo. Pois até é natural que assim seja. Não há nada mais humano do que a necessidade dos outros. E a aparente superação desta premissa evoca-me sempre o história da raposa e das uvas: como não chega aos galhos, não prestam, estão verdes.
De Suzana Cheong a 10 de Agosto de 2009 às 14:08
Eis um tema que me fascina: as actuais relações "humanas" e a dificuldade que existe em encontrar a "outra cara metade" ! Que grande titulo!

E porque me fascina este assunto? Porque conheço cada vez mais mulheres entre os seus 30-45 anos e também mais novas que desesperam a tentar encontrar um companheiro/namorado/qualquer homem-minimamente /interessante.

Do que me foi dado a observar penso que os homens andam um pouco confusos. Desde que algumas mulheres começaram a chamar a si a decisão de tomar o primeiro passo, aquando de um encontro ocasional ou outro, os homens ficaram sem saber como reagir, se reagir, o que dizer, enfim o caos instalou-se de vez nas relações heterossexuais!

Eu não sei quando e' que este fenómeno se instalou no nosso Portugal, mas eu já testemunhei cenas absolutamente hilariantes, nelas, os homens tomam o papel de presas, e elas as de predadoras. Vi há ' tempos, numa disco de Lisboa, um grupo de 3 jovens homens nos seus 30 a serem literalmente assediados por 2 trintonas que se abanavam e lançavam olhares gulosos sobre os ditos jovens. Estes riam e trocavam segredos aos ouvidos uns dos outros. Nenhum se mexeu , e dentro em breve as trintonas desviaram a sua atenção para outro alvo.

Ora, eu comecei a pensar no que acabara de observar. Quando eu era mais jovem, ou seja há cerca de 20 anos, uma mulher quando dançava na pista de dança era cercada por elementos do sexo masculino que tentavam o seu melhor para atrair, nem que fosse um sorriso da pequena. Uma vez conseguido o sorriso, o mais bravo entabulava conversa.

Hoje, tal não e' possível ! Que se passa, pergunto eu! Onde estão os homens? O que aconteceu? Como chegamos a isto? 'A total inversão de papeis que torna os homens tímidos e sem saber como agir? Porque querem as mulheres tomar o papel de predadoras? Sou eu antiquada?

Quem tem a maquina do tempo? Eu quero voltar aos anos 80. Quero que me abram a porta. Que me deixem passar a' frente. Que me puxem a cadeira para eu me sentar. Que me sorriam e perguntem "como te chamas?" Que me façam sentir mulher!

Eu, nos últimos 2 anos posso dizer que só ' dois homens tiveram coragem para vir falar comigo. Ambos estrangeiros...

Onde estão esses homens portugueses? Socorro!!

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui