Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2010
publicado por JN em 6/1/10

Como qualquer outra estrela de uma temporada, Ídolos tem-nos trazido coisas boas e coisas más. Uma das coisas boas são os concorrentes: um belíssimo grupo de vozes e de carismas, de cujo casting a produção pode orgulhar-se. Outra é o interessante debate entre Manuel Moura dos Santos, Pedro Boucherie Mendes e Laurent Filipe sobre o que é (e o que deve ser) uma pop star do século XXI. E outra ainda é a capacidade de conquistar público com um mote apesar de tudo nobre (o talento musical), provando que estavam errados todos os que, como eu, julgavam que nem havia mais talentos por descobrir nem, aliás, interesse dos telespectadores nesses talentos.


No pólo oposto, estão os apresentadores, ambos fracos. Está William “King Of Love” Bulas, o concorrente fracassado feito repórter de circunstância, que de facto não tem piada nenhuma. Está Roberta Medina, que é linda, mas não sabe o que dizer. E está, sobretudo (e passe a embirração pessoal), a consagração definitiva dessa mania de chamar “uma música” a uma canção. Mas um poema é “uma poesia”? Um quadro é “uma pintura”? Uma casa é “uma arquitectura”? Então uma canção também não é “uma música”. Tanto quanto me parece, chamar “uma música” a cada canção interpretada é tão mau como chamar “um júri” a um jurado – e o facto é que erro está longe de ser cometido apenas pelos jovens concorrentes, sendo-o mil vezes repetido pelos apresentadores, pelos jurados e por quem mais intervenha no programa.

Continuemos assim e não precisaremos apenas de um acordo ortográfico, para disciplinar esta língua a que Pessoa chamou “pátria”: precisaremos de um acordo semântico também.


CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 6 de Janeiro de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui