Sábado, 19 de Dezembro de 2009
publicado por JN em 19/12/09

Nós nunca sabemos bem o que a nossa memória vai reter – e não raras vezes damos por nós surpreendidos como uma recordação inútil, tirada de um filme série B ou apenas de um dia sem inspiração (mas que, apesar disso, nos repovoa sempre que determinada situação se repete). Eu, por exemplo, sou frequentemente repovoado por uma cena de Acorrentados (ou de outro qualquer sucedâneo de Big Brother, não me lembro bem qual). Dois concorrentes, um rapaz e uma rapariga, ganham um jantar. O restaurante é de qualidade, as câmaras estão lá – e tanto um como o outro vão lindos, cerimoniosíssimos, impressionando-se um ao outro e até, de alguma maneira, a si próprios. Até que o empregado lhes traz o vinho (branco, para acompanhar peixe) e serve a pinguinha da prova. O rapaz põe a sua melhor pose. Beberica e pensa. Beberica de novo e bochecha um bocadinho. Cheira, chocalha, volta a bebericar – e só então faz uma ligeira vénia, assentindo quanto à qualidade do néctar. O empregado vira costas. E diz ele, irrompendo num riso nervoso: “Hugh-hugh [esgar quase irreproduzível, exigindo onomatopeia]. Tá xequinho!”


Pois todas as vezes que estou num restaurante e assisto a essa cena da prova, o tipo muito cerimonioso em frente a uma rapariga – e mais cerimonioso ainda se em frente a plateia maior –, chocalhando e cheirando o vinho, bochechando-o e assentindo com uma vénia, imagino-o num esgar, assim tenha o empregado virado as costas: “Hugh-hugh. Tá xequinho!” Quando estou num restaurante e, aliás, quando estou no supermercado. Qual é o corredor de que eu mais gosto num supermercado? O dos vinhos. Não há só uma razão para isso, claro. No supermercado que eu frequento, o corredor dos vinhos fica mesmo ao lado dos dos frescos, com a prateleira de queijos gordos a vedar a entrada e as promoções de caju a disfarçar a saída – e, quando um homem vai às compras a dois, obrigando-se a acenar afirmativamente em direcção a propostas de seitan e de salsichas de peru, de rúcula e de bolachas de arroz, não tarda dá por si com uma certa necessidade de evasão. Acontece que é precisamente ali, no corredor dos vinhos, que se encontram os homens do vinho. E nada me diverte mais, num supermercado, do que os homens do vinho.

Porque eu sei onde é que eles vão a seguir: vão a uma festa. Porque eu sei do que é que eles ficaram encarregados: de levar o vinho. E porque eu sei como é que essa festa decorrerá. Um nadinha atrasado, fazendo-se esperar apenas aquele subtil espaço de tempo durante o qual os convivas ainda não podem tê-lo, mas já se permitem desejá-lo, o homem do vinho vai vestido com uma de duas fardas: um fato azul escuro sem gravata, à yuppie em gozo de merecida folga, ou com um longo casaco de pele de pêssego, à intelectual que interrompeu o acto da criação para ir privilegiar aqueles circunstantes com a sua presença. Em qualquer caso, traz as garrafas de vinho num saco de papel e o rosto naquele modo blasée que só consegue pôr quem já viu muita coisa e andou por muitos lugares. E, então, dá início ao seu show: abre o saco com a pompa de quem descerra a Arca Sagrada, dispõe as garrafas sobre a bancada da cozinha como quem alinha uma colecção de Rodins – e depois ali fica, à espera dos elogios: o pelintra de sempre, mas um pelintra que viu o Sideways e empinou o almanaque do João Paulo Martins.

Porque é isso o vinho, não é – o que distingue a classe do resto? Eu acho que é (assim como assim, já toda a gente tem um BMW). E portanto ali permanece o nosso homem, sempre nas imediações das bebidas, sempre com a testa levemente franzida, sempre à coca de alguém que observe, em direcção à anfitriã: “Mas este vinho é maravilhoso, Paula. Quem trouxe?”, permitindo-lhe enfim erguer o copo, conferir o néctar em contra-luz e penetrar distraidamente na conversa: “Um trincadeirazinho curioso que andam a fazer ali em Pias... 2002. Um razoável ano, por sinal.” Ora, podia (e era isto que eu queria dizer) ser meu amigo, esse homem? Difícil. Se alguma coisa lhe admiro, é a possibilidade de desencaminhar a estagiária loira, à hora de almoço, para ir vê-lo comprar vinho à Garrafeira de Campo de Ourique, tratando aquele senhor gordo pelo nome e ensaiando o espectáculo para o fim-de-semana seguinte. De resto, prefiro esperar que um dia, almoçando à minha frente, ele rejeite uma garrafa que o empregado lhe traga – e que, na sua argumentação de recusa, seja capaz de demonstrar que não o faz apenas para provar que pode. Até lá, chamem-me bruto, bebo cerveja. Essa sim, hugh-hugh, está sempre fresquinha.


CRÓNICA ("Muito Bons Somos Nós"). NS', 19 de Dezembro de 2009

tags:
1 comentário:
De Manuel da Silva Carvalho a 21 de Dezembro de 2009 às 00:13
A história do vinho é uma história humana ligada às condições geo climáticas, às trocas comerciais, aos diferentes gostos e às diversas sensibilidades de cada povo. O vinho acompanha a humanidade nas suas conquistas e progressos, nos seus fracassos e desânimos. O vinho é um valor cultural e um fenómeno de civilização. Mas na era moderna, devido às descobertas e invenções enológicas, o ritmo das mudanças acelerou. Envelhecendo ou não, o homem do vinho vê o tempo encurtar-se. É o efeito prático do progresso científico. O futuro chega ao mesmo tempo que o presente, além de sermos menos capazes de retirar lições do passado. Ainda assim, a ciência não explica a interacção de muitas substâncias presentes no vinho que fazem a diferença para outras bebidas como a cerveja. Muito do que o homem conhece do vinho é, portanto, resultado da experiência acumulada ao longo dos séculos, da sua história, das suas tradições.

Se a mundialização nos fez cidadãos do mundo, permitindo-nos ter acesso a vinhos singulares e diferentes elaborados nos quatro cantos do planeta, é importante não esquecer, tal como a língua materna, que a identidade do vinho é um elemento de coesão cultural.

Para um verdadeiro apreciador de vinho, o Aromas & Sabores em Campo de Ourique é um ponto obrigatório na cidade de Lisboa. É um local onde se passam sempre uns bons momentos a apreciar bom vinho, servido devidamente e acompanhado por óptimas iguarias, e trocar opiniões com Arlindo Santos, o simpático e conhecedor anfitrião.

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui