Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009
publicado por JN em 20/11/09

Não vale a pena escamoteá-lo: o Sporting vive uma situação transitória, de que não se deve pedir grande brilho. Consciente das expectativas dos associados (e, de resto, da fragilidade da sua própria posição, apesar de tão pouco tempo de presidência), José Eduardo Bettencourt chegou a pensar corresponder à necessidade de mudanças radicais. Tentou contratar André Villas-Boas, tentou contratar Luis Aragonês e acabou por contratar Carlos Carvalhal, a quem fez um contrato de sete meses e pôs a trabalhar sem apresentação nem nada. Não espera muito dele, no fundo – e o melhor que podemos desejar é que Carvalhal o surpreenda (a ele e a nós).


Mas há uma melodia neste processo que assusta. Ao tentar primeiro André Villas-Boas, um jovem de 32 anos e sem currículo, e logo a seguir Luis Aragonês, um idoso de 71 anos e campeão europeu de selecções, José Eduardo Bettencourt mostra claramente a atarantação que se vive em Alvalade. No essencial, e por muitas que fossem as esperanças no potencial de Villas-Boas para vir a transformar-se no “próximo José Mourinho”, não havia um perfil definido para o cargo de treinador. E isso não é grave: é gravíssimo. Porque, ao contrário do que há muito se pensa no Sporting, o treinador continua a ser a figura mais importante de um clube de futebol.

O treinador é juiz e é advogado, é carrasco e é coveiro ao mesmo tempo. Argumenta acima, exigindo mais meios, e argumenta abaixo, exigindo mais suor. Argumenta para fora, exigindo mais respeito, e argumenta para dentro, exigindo mais cooperação na luta contra quem está acima, contra quem está abaixo e contra quem está de fora – tudo entropias, tudo gente ignorante sobre a importância do momento em causa, tudo a meter poeira na engrenagem. O treinador é um general, é um psicólogo, é um maestro, é um líder sindical, é um pai. E qualquer projecto para a ressuscitação do Sporting (a escolha da palavra não é aleatória: o Sporting está em paragem cardio-respiratória e precisa de um desfibrilhador) passa pela escolha do treinador para 2010-2011.

O que não pode acontecer – não pode acontecer – é tentarmos contratar o treinador do último classificado da Liga portuguesa, na consciência de que se trata de uma pérola que no clube certo podia mudar tudo, e ficarmos 700 mil euros aquém do exigido. O que não pode acontecer – não pode acontecer – é tentarmos contratar um treinador de 71 anos, assumidamente interessado em regressar depressa ao trabalho (e, de resto, já habituado a trabalhar em clubes estrangeiros periféricos, depois da experiência no Fenerbahçe) e, aparentemente, o senhor nem sequer equacionar a disponibilidade (ainda por cima tratando-se de um clube sediado a cinco horas de carro de Madrid, sua cidade natal e de residência).

Temos motivos para celebrar a demissão de Paulo Bento e a tomada de consciência de que nem toda a gente, neste clube, está conformada com a inevitabilidade da “belenensização” (a escolha da palavra, mais uma vez, não é aleatória: “belenensização” pode ser termo antigo, mas faz mais sentido hoje do que nunca). A maior parte dos desafios, porém, ainda está à nossa frente – e, de resto, concentra-se no curto período de alguns meses. Eu diria que este é o meio ano mais importante da história deste clube. Mal gerido, pode simplesmente não sobrar mais nada.


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 20 de Novembro de 2009

2 comentários:
De Tite a 22 de Novembro de 2009 às 17:40
Caro Joel,

Desde que o ouvi falar sobre o nosso clube na RTP-N que fiquei sua fâ e concordo com os seus pontos de vista sempre que o leio ou oiço.
Esta sua crónica é uma vez mais o caso.
Não posso estar mais de acordo.
Obrigada, pois andava a ficar entristecida por alguns leões não concordarem comigo e até me agredirem como uma traidora.
A mim, parece-me que este tipo de observações são mais profiláticos do que dizer Ámen a tudo o que se passa dentro do clube.
Veremos se vale a pena continuar a avisar...

SL
De jorge espinha a 2 de Dezembro de 2009 às 19:36
caro joel

Então homem? Nem um comentário sobre o Sporting- Benfica?
Estou à espera.
Estou dividido , se o SCP engrenar vamos ter deja Vu all over again "? (com agradecimentos ao sr Yogi Bera e ao google ).

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui