Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009
publicado por JN em 19/11/09

Passei a tarde de ontem a tomar notas. “Uma forma de dizê-lo é: foi preciso esperar dez anos para falharmos, finalmente, a final de uma grande competição. Outra é: bastou contratar Carlos Queiroz para falharmos, finalmente, a final de uma grande competição.”


Não o escondo: no momento da chegada de Queiroz, fiquei com a convicção de que Portugal não conseguiria chegar ao Campeonato do Mundo; ao longo dos pobres resultados e das paupérrimas exibições nos primeiros dois terços da fase de grupos, fiquei com a certeza quase absoluta de que Portugal não chegaria lá; após o inenarrável Portugal-Bósnia, de que apenas por milagre não saímos claramente derrotados (de resto, no nosso próprio terreno), fiquei com a impressão até de que o ideal era mesmo não ir à África do Sul, tal a humilhação a que nos arriscávamos.

Ontem, mudou muita coisa. Ao longo daqueles 90 minutos, risquei sucessivamente as acusações aos jogadores, as denúncias de incompetência do seleccionador, até as críticas ao jogo de equilíbrios de Madaíl. Em Zenica, e mesmo sem Ronaldo, Portugal foi muito do que não era desde Scolari.

Junto-me ao coro de celebração, pois. Mas não mudou tudo – nem, aliás, Portugal foi tudo o que já fora. E é bom que o projecto do “professor” não seja mesmo a dez anos. Bastam oito meses de projecto: o suficiente para uma participação condigna no Mundial. Quanto a mais do que isso, estou céptico. Chamem-me nomes.


COMENTÁRIO. Jornal de Notícias, 19 de Novembro de 2009

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui