Segunda-feira, 10 de Maio de 2010
publicado por JN em 10/5/10

Já aqui havia avisado para a necessidade de se encontrar um novo modelo para a publicidade televisiva, agora que a smart TV está aí para ficar. Pois a experiência actualmente em curso no programa John King, USA, da CNN, é uma primeira pista (provavelmente até mais do que isso) para encontrá-lo. Há cerca de mês e meio que o formato ocupa os finais de tarde da estação norte-americana – e há exactamente outro tanto que testa aquilo a que se chama agora program placement.


No essencial, trata-se de uma diametral inversão de papéis entre a programação e a publicidade. Se até aqui os anúncios ocupavam o espaço entre programas (mais os intervalos de cada um deles), agora é um programa a adaptar-se aos anúncios, continuando a ser exibido numa janela pop-out enquanto estes são mostrados numa janela principal.  Não é confortável, nem sequer bonito. Mas o mais provável é que esteja aí para ficar.


O problema que se punha era o do efectivo visionamento dos spots publicitários por parte dos telespectadores, cada vez mais habituados a gravar os programas que queriam ver e a carregar no botão de fast forward no instante em que aparecia um anúncio. E a solução mais óbvia parecia ser a incrustação de publicidade nos próprios programas, através de rodapés, oráculos e/ou orelhas.


Pois o novo modelo vai além disso, sobrepondo claramente os reclames aos programas. Queriam um sinal da crescente importância da publicidade em sede de luta pela sobrevivência da televisão, nestes tempos de depressão económica? Ei-lo aí. E o melhor é habituarmo-nos a ele: depois de aberto o precedente, raramente a TV tem conseguido inverter as concessões que faz.


CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 10 de Maio de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui