Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010
publicado por JN em 5/2/10

O primeiro mérito de Capadócia, a nova série da HBO cuja exibição acaba de arrancar no Fox Crime, não é centrar-se em belas mulheres hispânicas, seguindo a obsessão que Jennifer López, Eva Longoria e Rosario Dawson lançaram. O seu primeiro mérito é decorrer numa prisão mexicana e ser falada em espanhol, levando o México aos EUA (e os EUA ao México) e contribuindo para o combate àquele que, no limite, é o maior handicap do Ocidente no combate ao terror global: o etnocentrismo americano.


E, no entanto, os seus méritos vão além disso. Perdidos no meio das rebuscadíssimas soluções formais em que os produtores da TV americana vêm mergulhando, sabe-nos bem encontrar, aqui e ali, uma série de roupagens mais clássicas. Ora, Capadócia não se centra em personagens com dons “psíquicos”, em odisseias cuja acção se concentra num espaço de 24 horas ou em gente que teve um desastre de avião e foi parar a uma ilha. Centra-se numa prisão de mulheres apenas – e, se é difícil imaginar que um dia possamos ter um acidente de avião e sobreviver, a verdade é que a linha que diariamente nos separa de uma prisão é, bem vistas as coisas, bastante ténue.

O resultado não tem talvez a sofisticação de Lost ou Prision Break, mas vai muito além do que a HBO Latin America conseguira com Mulheres Assassinas ou Mandrake, ganhando outra acuidade na conquista do público americano. Além disso, uma história mexicana distribuída mundialmente com selo americano é mais do que apenas uma jogada de expansão mercantil por parte da HBO: é um salto importante no domínios de uma globalização equilibrada. Ah, sim: e as mulheres são lindas. Porque é que isso haveria de ser um defeito?


CRÍTICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 5 de Fevereiro de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui