Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009
publicado por JN em 24/8/09

“Flora Andrade”, diz a senhora. “Flora?”, confere a repórter. “Andrade”, insiste a senhora. “Flora Andrade. Então, pode contar-nos a sua anedota, por favor.” E a senhora foi por aí fora. Primeiro, um beijinho ao marido, alvo do seu incomensurável amor. Depois, claro, a piadola. Durante um discurso, José Sócrates pôe-se a enunciar os feitos do Governo. A cada feito, uma senhora grita lá de trás: “Aperta-me as mamas! !Aperta-me as mamas!” Até que um segurança a interpela: “Oh, minha senhora, o que é isso?” Resposta: “É que quando me estão a”… bom, vocês sabem… “eu gosto que me apertem”… Pronto, toda a gente viu, não?


Foi no “SIC Ao Vivo”, aqui há uns dias – e talvez mandassem as regras da crítica lembrar que quem faz televisão assim, acéfala, se sujeita a cenas destas (e que, de resto, quem insiste na participação não editada dos espectadores até está, de alguma forma, a pedi-las). Utilidade nenhuma. Estudam-se as caras dos alarves que se reuniram em torno da anedota, junta-se-lhes a cara da própria repórter (uma daquelas loirinhas das entrevistas de circunstância, muito dada a trejeitos para a câmara) e percebe-se: esta gente gosta disto. O público gosta – e os próprios apresentadores, embora chocados no imediato, não tardam a questionar-se se, apesar de cabeludo, aquele não foi “um grande momento de televisão”.

Tanto quanto posso lembrar-me, foi o pior Verão de sempre. E, caramba: ainda faltam uns dias.


CRÍTICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 24 de Agosto de 2009

1 comentário:
De ana celeste M a 27 de Agosto de 2009 às 09:49
Não vi Flora Andrade no seu momento de glória e, no entanto, sei que a conheço bem. Eu, que durante tantos anos usei transportes públicos, sei do que falo: o som do corta-unhas cravado nos tímpanos, as cascas de laranja (laranjas e bananas são uma fixação) espalhadas pelo cais de embarque ou amontoadas no espaço ínfimo entre o banco e a janela; os pés retirados aos chanatos e exibidos sobre o banco da frente, a gritaria, as alarvidades. Se, em grupo, pior. Uma violência tal que, independentemente do dia me ter corrido melhor ou pior, chegava a casa com desejo de vingança. A coisa melhorou quando passei a usar música nos ouvidos. Vários decibéis acima do aconselhável protegiam-me o cérebro. Se, por acaso, um engraçadinho se sentava ao meu lado, partilhando glórias com o vizinho da frente, aumentava o volume. Décadas de stress e desespero. Hoje, não há fila de trânsito que me provoque semelhante incómodo.Nem a ideia que de que o povo precisa de ter consciência política para votar me transtorna tanto. Afinal, do povo há pouco a dizer: escolheu Barrabás! o que é pouco menos que tudo... Inquieta-me contudo que haja quem decida por carruagens e carruagens de combóios suburbanos na televisão, autocarros inteiros, metros apinhados de gente que faz da palavra uma extensão imediata do vazio ou, pior que isso, do disparate. E perante a massificação do fenómeno, sou mesmo levada a pensar que quem opta por esta política televisiva tem de gostar do assunto. As direcções devem estar apinhadas de gente que se pela por uma viagem Sete- Rios-Pragal/ Areeiro- Santa Íria/ Entrecampos-Mem Martins. Doem os carros e grande cilindrada e entrem na verdadeira televisão em movimento. Vão ver como é tão bom...

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui