Sexta-feira, 31 de Julho de 2009
publicado por JN em 31/7/09

Há algo de constrangedor nisto de chegar ao século XXI e encontrar o wrestling a viver um dos seus melhores períodos de sempre. Como desporto, é uma tontice: uma abrutalhada coreografia levada a cabo por uma série de orangotangos que fingem andar à pancada, enquanto se esforçam por cumprir o plano onde se definiu quem ganha, quem perde e quantas bofetadas leva cada um. Como espectáculo, é pior ainda: uma paupérrima encenação protagonizada por uma série de péssimos actores incapazes de convencer quem quer que seja da autenticidade da sua luta.

E, no entanto, aí está ele, tão pujante como nos tempos de Tarzan Taborda: salas cheias, público delirante, mega produções, transmissão para os quatro cantos do mundo (incluindo Portugal, via Eurosport 2 e SporTV 3). Por causa da pancadaria? Em parte. Mas também, provavelmente, por causa da personalização de que foi alvo. Quem quer que vivesse na ilha Terceira dos anos 80 se lembra de ver wrestling no canal americano. Ora, nos anos 80, década de “A Fogueira das Vaidades, todos os lutadores eram máquinas (exactamente como os yuppies). Hoje, década de “Eu Sou a Charlote Simmons”, é tudo pessoal: todos os lutadores têm contas a ajustar com toda a gente – e as entrevistas, as conferências de imprensa e as apresentações dos combates são mais importantes do que a própria luta.

A única forma de explicar o wrestling é como um sinal dos tempos. E depois varrer tudo para debaixo do tapete.


CRÍTICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 31 de Julho de 2009

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui