Domingo, 1 de Novembro de 2009
publicado por JN em 1/11/09

“O swing de golfe é como uma mala em que constantemente tentamos enfiar uma coisa mais do que aquelas que ela comporta”, dizia John Updike – e quase sempre tem razão. Mas um dia há em que essa mala como que estica, ajustando-se na perfeição àquilo que queremos lá meter – e então duas coisas são certas. A primeira é que não esqueceremos nunca esse dia. A segunda é que, depois disso, demoraremos muito tempo até voltarmos a recordar-nos de como fizemos para ajustar o seu espaço às nossas necessidades. Do que fizemos para esticá-la, de como conseguimos acondicionar nela todos os objectos de que precisávamos – de como nos foi possível, afinal, manter em razoável harmonia, durante aquelas quatro horas, tudo aquilo que vamos respigando e esquecendo e recordando e tornando a perder ao longo de meses de treino e de suor, de sangue e de lágrimas, de euforias e de desistências e de novas euforias e de novas desistências e de novas euforias ainda.


Aconteceu-me no novo campo do Laranjal, na Quinta do Lago – e eu gosto de acreditar que o lugar não é inocente. Se há algum arquitecto de golfe de que gosto sempre, é de Jorge Santana da Silva – e o Laranjal não é apenas mais uma das suas obras: é talvez a mais bela até ao momento. Limitado no espaço, Jorge Santana conseguiu na mesma criar um longo e desafiante championship, cheio de convites à ousadia e de implacáveis armadilhas. Limitado na flora (pelo menos em comparação, por exemplo, com Amarante ou Viseu), conseguiu na mesma criar um belíssimo jardim, sedutor e sumptuoso, como se cada buraco fosse a misteriosa antecâmara do seguinte – e percorrê-los todos seguidos como que viajar pela tragicomédia de Dante, incluindo os nove círculos do Inferno e os nove céus do Paraíso (e algures, já se sabe, as montanhas do Purgatório, os pântanos e as rosas poéticas, os ventos e as tempestades, os anjos e a própria Beatriz).

Pois, a mim, deu-me Paraíso. Eu estava com o Ramiro, acabadinho de jogar o Pro-Am do Portugal Masters na formação de Retief Goosen – e tinha o ego desfeito. Privilegiado com a oportunidade de jogar ao lado de um dos maiores golfistas do mundo (falo do Retief), havia conseguido fazer tudo o que não se faz: slices e hooks, shanks e tops, triplos putts e duplos bogeys – e, enfim, um resultado que me abstenho de reproduzir aqui, tanto por vergonha como por causa do limite de caracteres. Basicamente, visitar o Laranjal, que eu nunca sequer tinha visto antes, era como subir para cima do cavalo outra vez – e, entretanto, dar um passeio por lugares desconhecidos, a ver se me distraía (e, se algures lá para um dos buracos do fundo se abrisse um alçapão e a terra me engolisse, pois paciência, a verdade é que eu não merecia viver). Naturalmente (agora acendam as luzes de Alerta Gabarolice, por favor), fiz o jogo da minha vida. Reduzido o desejo ao mínimo, quase não falhei um shot, fiz birdie nos par 5 quase todos, salvei pars com up-and-downs milagrosos e saí de cena com um 77 que, ao fim de três anos de golfe, e tratando-se de um campo novo, vale a pena inscrever a marcador grosso na bola de jogo e guardá-la a esta na estante, ao pé dos outros troféus de consolação.

E, no entanto, nunca mais, desde esse dia, acertei um shot. Minto: dois dias depois, no Pro-Press do Masters, das marcas de competição e com o setup do último dia do torneio oficial, ainda fiz bons dois terços de ronda, com muitos greens in regulations e oito pars. Mas o putting abandonou-me nesse segundo dia do Victoria – e, desde então, venho-me arrastando penosamente pelos campos de Lisboa, regressado aos slices e aos hooks, aos shanks e aos tops, aos triplos putts e aos duplos bogeys como se, na verdade, fossem eles a minha natureza. Às vezes ocorre-me: “E se voltasses ao Laranjal? E se fosses ao Montado, ao Montebelo, a Amarante – e se voltasses a um campo de Santana da Silva, à procura dos tercetos de Dante, dos três versos da sua estrofe (como as pancadas de um birdie), dos 33 cantos das suas partes (como o resultado de um bom nine)?”

Não resultaria. “O swing de golfe é como uma mala em que constantemente tentamos enfiar uma coisa mais do que aquelas que ela comporta”, dizia John Updike. Quase sempre é verdade – e, quando não o é, nunca somos nós a decidi-lo. Afinal, é no Purgatório que o barqueiro Caronte encontra Beatriz – e o máximo a que todos nós, amadores ou profissionais, podemos aspirar como morada definitiva é esse sensabor meio termo entre o Inferno e o Paraíso. Simplesmente, às vezes descemos ao limbo, com o que devemos recordar-nos da nossa pequenez; e outras acercamo-nos das portas do céu, com o que temos necessariamente de tornar a convencer-nos de que existe em nós mais golfe do que aquele que conhecemos. Este jogo é assim mesmo: há uma cenoura que caminha à nossa frente, suspensa como um chamariz – e, se às vezes lhe tocamos com um lábio, aproveitando os balanços da caminhada, já não é mau. O resto é paciência e capacidade de sofrer – e, no fim, paz à nossa alma.


CRÓNICA DE GOLFE ("Tee Time"). Jornal do Golfe, Novembro de 2009


 

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui