Sexta-feira, 8 de Outubro de 2010
publicado por JN em 8/10/10

Não sei quem conseguiu convencer os jornalistas a publicarem notícias como aquelas ontem li na imprensa deste e do outro lado do Atlântico. Não sei, não quero saber – e, aliás, peço encarecidamente que ninguém mo diga, porque já estou desencantado que chegue com a minha classe. Sei que notícias sobre o suposto interesse de vários clubes brasileiros (Fluminense, Flamengo e Corinthians, para citar apenas alguns exemplos) na contratação de Liedson dá pessoalmente jeito a toda a gente a quem não interessa que dê: a José Eduardo Bettencourt, que coloca mais um jogador no mercado, angustiado que deve andar com a urgência de recuperar pelo menos algum do dinheiro investido em apostas tão ridículas como Sinama Pongolle (€ 6,5 milhões, tanto quanto me lembro); a Costinha, que assim se vê abrir a hipótese de esvaziar ainda mais a pouca massa crítica que resta ao Sporting, de forma a poder exercer livremente a sua inacreditável e medíocre ditadurazinha; e mesmo a Jorge Mendes, que desta forma pode começar a planear colocar mais um ou dois pernas-de-pau no plantel de Paulo Sérgio, independentemente da comprovada incompetência de quase todos os jogadores que já lá meteu.

E sei que, se o Sporting se desfizer agora de Liedson, por dois, por cinco, por dez ou mesmo por vinte milhões de euros, me penduro num mastro de Alvalade aos gritos, a ver se a CNN, a CMVM, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem e o próprio Deus Pai abrem os olhos para o que de absurdo e de criminoso tem sido feito neste clube que movia o coração de dois ou três milhões de portugueses agora órfãos de dessa injecção de adrenalina e de camaradagem e de entretenimento que era o futebol (e, para eles em particular, o Sporting). Liedson é o único verdadeiro grande jogador de futebol que passou pelo Sporting desde a vitória no último campeonato, em 2002. Pelo contrário, estes senhores que agora dirigem o clube (e, aliás, os senhores que o geriam antes dele), não têm feito outra coisa senão despojá-lo de tudo aquilo em que lhe restava um mínimo de vitalidade. Quando hoje olho para José Eduardo Bettencourt, já não me surpreende apenas que tenha chegado a presidente do Sporting: surpreende-me mesmo que tenha chegado a administrador de um banco (embora isso possa ajudar-nos a perceber as preocupações que a nossa economia vai provocando em toda a gente menos em nós próprios). O Sporting como o conhecíamos já acabou há muito. E, por este andar, nem Sporting como o conhecíamos, nem novo Sporting de todo: não restará Sporting nenhum. Tenham vergonha, por favor. Liedson no mercado, não. É de mais.

CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo").

Jornal de Notícias, 8 de Outubro de 2010

(imagem: © www.4.bp.blogspot.com)

3 comentários:
De Jota a 9 de Outubro de 2010 às 10:48
Liedson já não é o mesmo de há dois/três anos. É certo que a idade pesa, mas penso que o que o prejudicou foi ter mudado de nacionalidade. Não é à toa que os brasileiros são muito melhores no futebol do que os portugueses. Basta comparar o rendimento de Liedson desde que tem bilhete de identidade português ao rendimento dele quando ainda era canarinho. Nesta altura Liedson já não se destaca assim tanto da mediocridade reinante, por isso, se fosse possível ainda realizar algum encaixe com ele seria sem dúvida bem-vindo. Mesmo sabendo que esse encaixe serviria depois para contratar um novo Pongolle, Grimi ou Valdés.

Estou cada vez mais convencido de que ao Sporting, nesta altura, só lhe valerá uma formatação total do disco, sem fazer qualquer espécie de backups. Mesmo que isso implique começar depois a partir do zero. Se calhar até seria o melhor que nos poderia acontecer.
De Sara a 12 de Outubro de 2010 às 17:46
Adoro este blog e já o leio à alguns dias a seguir todos os artigos. Não entendo quase nada de Weblogs, será que existe maneira de receber os mais recentes artigos e os novos comentários no meu email?
De Joao Silva a 17 de Outubro de 2010 às 19:59
Este sujeito 8 o autor do Blog) não pode com este Sporting. Aliás duvido que seja sportinguista. Nunco o vi dizer algo em favor do clube. Está na minha lista como anti Paulo bento e agora anti Betencourt. Diz que isto está uma peste agora. E antes estava uma maravilha, não estva. Qnto ao Liedson. Penso que está há 5 anos a mais no sporting. Se quiser verificar, só uma unica época é que ele esteve parecido com um ponta de lança

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui