Sexta-feira, 3 de Setembro de 2010
publicado por JN em 3/9/10



1.
Por esta altura, já não me interessam as verdadeiras razões por que Carlos Queiroz venha a deixar o cargo de seleccionador nacional. Quero vê-lo pelas costas – e quero vê-lo pelas costas o mais depressa possível. Escrevi aqui, na altura da sua contratação, que a solução não servia – e que, aliás, contratá-lo por quatro anos era duplicar o absurdo. O tempo deu-me razão, mas apenas em parte. Queiroz foi muito pior do que alguém  alguma vez podia ter imaginado. Não conseguiu fazer a transição de gerações, não conseguiu mobilizar os portugueses e não conseguiu apresentar resultados. Não conseguiu evitar o alargamento do contingente estrangeiro do plantel, não conseguiu conter o abandono da selecção por parte de jogadores fulcrais e nem sequer vai conseguir sair com um mínimo de dignidade. Pelo contrário, deixará atrás de si pouco menos do que um faroeste – e, a não ser que as mudanças sejam rápidas e draconianas, com a colocação no cargo de seleccionador de um implacável ditador, podemos desde já considerar o Europeu de 2012 outro fracasso. As responsabilidades vão direitinhas para Gilberto Madaíl, naturalmente. Por falar nisso: o que pensa ele disto tudo? O que pensa disto a direcção da Federação Portuguesa de Futebol?


 


2. Apesar de Queiroz, não deixa de constranger-me o abandono da selecção por parte de Deco, Simão Sabrosa e Paulo Ferreira. Deco é um caso especial: o que restará de “portugalidade” nele, agora que está de regresso ao Brasil e sem ligações à selecção? Simão e Paulo Ferreira já são semelhantes: exerceram o seu legítimo direito a fazer apenas o que bem entendem, mas levam-nos igualmente a crer, ao abandonarem o barco num momento especialmente difícil, que a sua dedicação à causa nunca foi grande coisa. O que nem sequer é exclusivo deles, diga-se: por toda a Europa há jogadores a darem por concluídas as carreiras na respectivas selecções. Pois eu gostava que pusessem, todos eles, os olhos no golfe e nas selecções europeia e norte-americana para a Ryder Cup. Centenas e centenas de jogadores digladiaram-se, durante dois longos anos, por um dos 24 lugares disponíveis na 38ª edição da prova, marcada para Outubro. E, no entanto, os prémios de jogo não serão apenas mais baixos do que aqueles a que eles estão habituados nas suas rotinas semanais: são simplesmente inexistentes. Ali, joga-se apenas pelo prestígio e pela honra – e esse é o momento mais alto de uma vida. Sabendo talvez os futebolistas o que é o prestígio, saberão também o que é a honra?


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 3 de Setembro de 2010

2 comentários:
De jorge espinha a 4 de Setembro de 2010 às 20:16
Caro Joel


Honra? Prestígio? Um dos que sabia o que isso era morreu ontem , Torres. Tentar passar o exemplo de Torres às últimas gerações de futebolistas , a atletas que vendem pequeno-almoços com primeiro ministros , a vedetas multimédia obcecadas por adereços, é uma tarefa impossível. É um abismo intransponível .
De Fred a 2 de Outubro de 2010 às 15:55
Queiroz é um bom exemplo de um "tachista" em tempos de crise:
- foi contratado a peso de ouro, sem ter as qualificações nem referências requeridas;
- assinou um contrato por longo período (4 anos) que lhe vai ainda garantir uns tostões consideráveis no fim da estória;
- quando deu para o torto, foi sacrificado pelos cabecilhas.

Até poderia ser o resumo da vida de alguns gestores de empresas mais ou menos estatais neste Portugal corrupto.

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui