Sexta-feira, 27 de Agosto de 2010
publicado por JN em 27/8/10



1.
Eu devia estar contente com Roberto. Depois de uma adolescência inteira a ouvir falar de Rodolfo Rodríguez, a quem Sousa Cintra (tonto como só ele) chamou um dia “o quinto melhor guarda-redes do mundo”, Roberto devia chegar para fazer-me sentir vingado. Afinal, a justiça, tardando, não falha mesmo. Mas o facto é que acabo por ter pena do rapaz. Até porque sei que tem talento.


Roberto, no Benfica, já não dará nunca guarda-redes a sério. Veio sujeito a demasiadas expectativas, fracassou de imediato e jamais conseguirá dar a volta à situação, neste ano ou em próximos. Não me surpreende que o Benfica, embora negando-o, o tenha colocado no mercado. Mas não me importava nada de trocar já Rui Patrício por ele, assim estivesse Luís Filipe Vieira disposto a incluir Saviola e Cardozo no pacote.


Agora, não deixo de achar a sua dispensa, mesmo que apenas do papel de titular, especialmente perigosa. E agora, quem culpará o Benfica pela sua falta de eficácia, pela sua instabilidade na defesa, pela sua insegurança no meio campo, pelo seu desnorte no ataque? Culpará a sorte, claro – e já aí estamos nós a ouvir que, “se aquela bola do Gaitán tivesse entrado”, outro galo cantaria. E culpará, inevitavelmente, os árbitros também – e já por aí anda que, com o árbitro do Sporting-Marítimo, o Benfica nunca teria perdido em casa com a Académica.


Isto vai ser um ano muito longo mesmo. Tenhamos paciência.


2. Escrevo crónicas sobre futebol há vinte anos e, para além do Benfica (que nunca perco a oportunidade de alfinetar, no que será a melhor homenagem que posso prestar-lhe), apenas granjeei dois inimigos: o Olhanense, depois de, um tanto irreflectidamente, ter chamado ao seu campo de jogos “um galinheiro”; e o Sp. Braga, após, de forma assumidamente provocadora, ter dito que não tinha adeptos. Eis-me aqui a dar a mão à palmatória. O Sp. de Braga não só tem adeptos como, esta semana, arranjou mais um: eu próprio, arsenalista, não desde pequenino, mas desde a idade da razão (o que talvez devesse ser o mais importante de tudo). Muitos parabéns – e viva o Braga!



3. Escrevo antes do Brondby-Sporting – e, naturalmente, arrisco-me. Paciência. Se o Sporting tiver passado a eliminatória, ter-me-ei rendido em definitivo a Paulo Sérgio. Se tiver falhado, então não terá feito nem mais, nem menos do que aquilo que se esperava – e, em todo o caso, eu continuarei a apoiar este treinador. Cometeu vários erros, Paulo Sérgio, nos dois primeiros jogos oficiais. Mas em ambos os casos teve também a sorte contra si. E, para além de tudo, continua a ser um “self-made man”. Enquanto houver “self-made men”, o mundo manter-se-á um lugar possível.


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 27 de Agosto de 2010


1 comentário:
De SC a 29 de Agosto de 2010 às 01:08
1 - A partir das 21H:39, de ontem, também pode vir a dar a mão à palmatória tal qual como...E viva o Braga!!
Mas..., apesar de tudo, não me importava de o trocar por Rui Patrício!!

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui