Sexta-feira, 20 de Agosto de 2010
publicado por JN em 20/8/10



Pouco minutos antes de o Sporting tombar perante o Paços de Ferreira, estava eu a chegar da loja onde fora comprar o equipamento leonino para o meu afilhado. Vinha delirante, decidido a promover o nascimento de um novo sportinguista – e, inevitavelmente, hesitei. Se tantas e tantas crianças da minha geração escolheram o clube apenas porque o seu primeiro fato-de-treino era verde ou a sua primeira mochila dizia “Sport”, então um equipamento completo, com aquelas meiinhas  adoráveis e aqueles calções pequeninos e aquelas letras garrafais a dizer “Super Bock” nas costas da camisola rapidamente se lhe colariam à pele como uma segunda identidade – e essa identidade, como acabava de mostrar-me aquele malfadado jogo da Mata Real, não era propriamente um sucesso.


Para que se perceba o trabalho que tenho pela frente, devo dizer três coisas: o Louis é francês, vive em Paris e, tanto quanto sei, não tem, em toda a extensíssima família (nem do lado do pai, nem do lado da mãe), uma só alma sobre a qual o maravilhoso jogo da bola exerça um mínimo de fascínio. No momento em que abriu o presente, fez um ar desgostoso e perguntou-me, no seu ar de menino educado mas nem por isso exultante: “Devo vesti-lo?” – e mais tarde, cautelosamente, ainda encontrou maneira de inquirir: “E aquele outro presente que tinhas ali, para quem é?” Depois, porém, como que desabrochou. Há alguma coisa numa bola que ilumina uma criança – e, quando começámos a trocar o esférico sobre a relva, não foi difícil perceber que ele ganhava intimidade com ela a cada instante que passava, apesar de nunca, até então, tal jogo o ter seduzido.


Não me surpreendeu: o Louis, como os irmãos mais velhos (e um dia, provavelmente, o mais novo também), é tudo aquilo que sonhamos quando sonhamos com um filho. É assertivo, afectuoso e bonito, para além de educado (por favor, educado sempre, educado sempre) – e, se em vez de uma bola eu lhe tivesse dado uma equação matemática, o mais provável é que, mais tarde ou mais cedo, viesse a resolvê-la. Quando um dia vier para Portugal, vou levá-lo ao cinema e a jogar golfe, a comprar livros e, naturalmente, a ver o Sporting também. Está marcado para sempre – e, se um dia decidisse ser de outro clube que não o Sporting, não apenas me partiria o coração a mim, mas trairia toda a natureza humana.


Pensando bem, oxalá mude para outro clube qualquer: esta natureza é do pior – ser capaz de suplantá-la só pode ser bom sinal. Mas, se não mudar, lá estaremos os dois juntos, chorando derrotas. O Sporting será como que o seu criado de quarto – aquele que, apesar das glórias pessoais, lhe lembrará diariamente, pela manhã: “És estúpido. Podes estar no topo do mundo, que não deixarás de ser como todos os homens: um estúpido.” O Louis é um vencedor. Os vencedores precisam do Sporting.


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 20 de Agosto de 2010

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui