Sexta-feira, 23 de Julho de 2010
publicado por JN em 23/7/10



É uma sensação quase desconcertante. Na altura em que escrevo, são já 10:28 – e Jara ainda não fez um passe de génio, um golo maravilhoso, um fintazinha inesquecível que se seja. Pelos vistos, ainda não começou o treino do Benfica. O que tem uma grande vantagem, claro: sendo assim, Roberto também ainda não enfiou qualquer frango. Mas não vale a pena desesperar. Daqui a instantes Jorge Jesus já há-de estar a orientar mais um treino dos cavaleiros da Távola Redonda – e não tarda havemos de ter a SIC Notícias e a RTPN, as rádios e os sites, o vizinho de baixo e o senhor do quiosque aos berros, que o Messias tornou a reencarnar, que está aí a Nova Jerusalém e que os tais 144 mil, afinal, são seis milhões inteirinhos (o que, aliás, já era previsível, tão cheio de linguagem figurada anda o Apocalipse).


Por mim, não sinto outra coisa senão inveja. Embora tenha a impressão de que, se a glória do Benfica está de facto prevista nas profecias, é no capítulo sobre as sete últimas pragas antes da queda da Babilónia, invejo sem reservas esta euforia que inunda os corações inimigos do primeiro ao último minuto, assim que começa a temporada e muito depois já de nada haver a fazer pela conquista do campeonato, pela vitória na Taça de Portugal, pela chegada à final da Liga dos Campeões. Há entre os benfiquistas uma alegria sempre tonta – os comunistas usariam palavras como “alienação” e “ópio do povo”, mas eu, já se sabe, sou tão anticomunista quanto um homem pode ser –, e um sentimento dessa natureza, expondo-nos a tantos males, não deixa de ser reconfortante. Do lado de cá da Segunda Circular,  como de costume, não há nada disso.


Do lado de cá da Segunda Circular há agora um plantel mais equilibrado e um treinador que ainda não se conformou com ele. Só isso já é novidade: por esta altura, já Paulo Bento teria tranquilizado os sócios de que Diogo Salomão e André Martins eram suficientes, sendo pois um desperdício ter ido contratar Torsiglieri, Evandro ou Valdés. Mais: José Eduardo Bettencourt tem estado caladinho, o que não deixa de ter o seu mistério. Por outro lado, Costinha não deixará nunca de ser Costinha, Rui Patrício não deixará nunca de ser frangueiro e Yannick não deixará nunca de pedir para ir para o Real Madrid, agora que Luciana já redecorou a vivenda e quer começar a ver cumprida a promessa de, não tendo conseguido casar com o Cristiano Ronaldo branco, ter efectivamente casado com o Cristiano Ronaldo negro.


Basicamente, estamos na mesma. Ou quase. Ainda temos Paulo Sérgio…


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 23 de Julho de 2010

1 comentário:
De jorge espinha a 25 de Julho de 2010 às 20:23
caro joel


Este é o primeiro comentário da nova época. Então fique aqui registado que eu ainda estou a dar o benefício da dúvida a Costinha. De facto Bettencourt anda calado e só isso já é uma benção. Não creio que a equipa que temos chegue para ganhar , mas seguramente será melhor que o ano passado.
Era tempo também de pensar se vale realmente a pena ter formação, quem tem lucrado verdadeiramente com os meninos da academia são outros. Veja-se os casos de Quaresma , Simão (odeia o SCP) , Ronaldo (vendido à pressa) Moutinho (sim , também odeia o SCP, e vai ser uma grande jogador para o FCP). Estou farto os meninos de Alcochete , para eles o SCP é apenas uma montra , nem se esforçam.
Vamos ver como correm as coisas , não consigo deixar de ter esperança.

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui