Sexta-feira, 5 de Março de 2010
publicado por JN em 5/3/10

1. A esmagadora (o adjectivo não é inocente) vitória do Sporting sobre o FC Porto pode trazer apensa a maior das desvantagens, mas veio mesmo a calhar. Num ano em que tudo correu absolutamente mal, um jogo em que tudo corre absolutamente bem não chega para resgatar-nos da nossa miséria, mas sempre nos fez sentir um bocadinho menos mal na nossa própria pele. Não vale a pena mistificá-lo: em condições normais, aquele era jogo para 1-0, tão poucas foram as verdadeiras oportunidades de marcar. Mas houve três golos – e, sobretudo, o Sporting jogou com uma personalidade que há muito tempo não revelava.


Vai ser duro assistir à vitória do Benfica no campeonato. Ao contrário de nós, que festejamos de longe e com ironia, os benfiquistas conseguem ficar verdadeiramente felizes – e não tarda andam para aí aos abraços, às palmadinhas nas costas e mesmo aos calduços aos rivais. Há pessoas a quem não se pode dar confiança, já sabe. Mas ainda restam jogos importantes por disputar. E, se os nossos amigos do Sp. Braga forem capazes de aguentar-se em posição até 11 de Abril, talvez ainda pudéssemos ser nós a decidir este campeonato, no derby da Luz. Que me diz, Domingos: sois homens para isso?


2. A convocação de uma equipa de juniores e emprestados para um treino de conjunto com elementos do plantel oficial, realizado na quarta-feira, pôs os jornais da especialidade em alerta: o Sporting volta a testar os talentos da sua academia, de onde têm surgido tantos e tantos talentos, em mais uma acção destinada à preparação da próxima época. De resto, o facto de a CNN, pela mão do português Pedro Pinto, ter entretanto emitido uma reportagem sobre Alcochete, já reconhecido como um dos melhores centros de formação do mundo, não contribuiu para conter a excitação.

Muito claramente: o Sporting pode incluir um ou dois elementos da formação no plantel da próxima temporada, mas não mais do que isso. Na verdade, já lá os temos a mais. Quando se olha para os grandes clubes da Europa, incluindo aqueles que melhor formação têm, a constatação é óbvia: ninguém vive à base da sua própria escola (a não ser talvez o Ajax, que como sabemos não vence um campeonato há seis anos, nem o vai vencer esta época). Investimento: eis o que precisamos. Repito: investimento. Investimento. Investimento. Investimento.


3. Quem assiste aos jogos de preparação da selecção para o Mundial não pode, de forma nenhuma, sentir-se entusiasmado. Mas também é verdade que várias das melhores selecções que anteontem disputaram jogos amigáveis empataram ou perderam, em alguns casos até frente a equipas de dimensão bem menor. Talvez seja verdade, pois, quando Carlos Queiroz diz que Portugal “resolveu muitos problemas” no jogo com a China. De qualquer maneira, e se de facto ainda há problemas (que os há, que os há…), esta é a altura de resolvê-los.

De resto, não vale a pena começar a fazer contas de cabeça e entregar o coração nas mãos de outra equipa. Mesmo os mais cínicos – inclusive os mais revoltados com esta nova moda das selecções nacionais cheias de estrangeiros, entre os quais gosto de incluir-me – vêem aquela camisola encarnada entrar em campo e de imediato são tomados pela ternura e pela paixão. E, se não o são, não podemos sentir por eles outra coisa senão pena. Portanto, venha o que vier: agora já não há regresso. Força, Portugal.


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 5 de Março de 2010

1 comentário:
De RC a 5 de Março de 2010 às 10:15
Caro Joel,

É errado o que diz neste texto: «Quando se olha para os grandes clubes da Europa, incluindo aqueles que melhor formação têm, a constatação é óbvia: ninguém vive à base da sua própria escola».
O Barcelona tem, no seu plantel principal, 14 jogadores formados na "cantera". Cinco ou seis (Valdes, Piqué, Puyol, Xavi, Iniesta...) são habitualmente titulares e outros suplentes utilizados (Pedro, Busquets...). E ainda há Bojan Krkic, Jeffrén...
È claro que também investe muito. Mas isto é viver "à base" da formação. Aliás, dois destes jogadores são mesemo "a base" da equipa e dois dos melhores jogadores do mundo (Xavi e Iniesta). Isto demonstra que o número de jogadores que o SCP tem no plantel formados na Academia não é excessivo.

Abraço,
RC

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui