Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010
publicado por JN em 12/2/10

Não, não é apenas de futebol que eu gosto: é da forma como ele sempre se me apresentou (bem sei que isto vos vai parecer um chavão, mas eu já explico) como uma das mais belas, transparentes e transversais metáforas para a vida: de como nele de concentram a alegria e a tristeza, a euforia e a angústia, a vida e a morte, a coragem e a cobardia e a tenacidade e a negligência e a generosidade e a maledicência – e de como essa metáfora, se bem manipulada, pode tornar-se acessível a tanta gente. O Sporting dos últimos cinco anos cegou-me a essa dimensão. Afundado numa angústia progressiva, eu, como outros, troquei a metáfora pela metonímia – e, entretanto, atarantado com as proporções, perdi o Norte ao todo e à parte, ao continente e ao conteúdo, ao copo que se bebe e ao vinho que se segura com a mão.


Esta semana, estou longe de Portugal. Não tão longe que não me tenham chegado já, provavelmente, os ecos do jogo da Taça da Liga, os relatos das suas glórias e dos seus fracassos, as provocações e até as palmadinhas nas costas. Mas longe, apesar de tudo. Longe dos rostos. Longe do email. Longe do FaceBook e do Twitter e do Orkut. Perto do telefone, mas com ele quase sempre desligado. E, portanto, fora do alcance das tropelias de Carlos Xistra, de Lucílio Baptista e de Olegário Benquerença. Inacessível aos desmandos da Comissão Disciplinar da Liga, das televisões enamoradas de Jorge Jesus e de todos aqueles que, inadvertidamente focados no imperativo do combate ao défice, insistem nas vantagens de uma vitória do Benfica para a recuperação da economia nacional. Surdo às palavras de José Eduardo Bettencourt, cego às travessuras de João Moutinho e companhia, mudo perante o resultado e as incidências e o rescaldo e tudo o mais que tenha a ver com o derby.


Portanto, não: eu não tenho nada a dizer sobre o Sporting-Benfica, que apenas verei gravado, ao regressar a Lisboa. E, no entanto, trago agenda. Pessoa que admiro considerou há dias o meu “Todos Nascemos Benfiquistas”, em que reuni algumas das crónicas de futebol que durante anos publiquei na NS’, um livro “sobre a vida toda”, mais do que sobre futebol – e eu gostava, de alguma maneira, de reencontrar esse olhar. Sei onde o perdi: perdi-o lamentando Paulo Bento e deplorando Soares Franco; perdi-o abismando-me com os colossais erros cometidos em todas as áreas da gestão do meu clube e empenhando-me em chamar publicamente a atenção para eles; perdi-o deixando-me obcecar com um regresso às vitórias e esquecendo-me do prazer de que antes me inundava uma boa derrota. Trago livros, naturalmente: livros de ficção, livros de crónicas, livros de poemas. Não sei se a solução está nos livros ou está no mar. Mas, por estes dias, tenho os dois ao meu dispor – e foi algures entre os dois que sempre reencontrei as paixões perdidas.


O futebol. Mas quem é José Eduardo Bettencourt e quem é Carlos Carvalhal e quem é Rui Patrício – quem são estes funcionários de trazer por casa, afinal, para destruir um amor de uma vida inteira?


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 12 de Fevereiro de 2010

3 comentários:
De Ricardo a 13 de Fevereiro de 2010 às 20:37

Então, ainda queres que o fantástico Carvalhal continue?
De jorge espinha a 18 de Fevereiro de 2010 às 09:14
caro joel

Talvez seja um exagero, talvez o Sporting não esteja numa situação tão desesperante . Mas este Sporting faz-me recriar a "longa noite" dos anos 80 e 90. Uma Altura em que SCP era irrelevante, com uma diferença no entanto, nessa altura a malta ainda se incomodava em ir ao estádio ou sofrer junto da rádio ou televisão. para mim tornou-se muito penoso assistir a um jogo dessa equipa amorfa em que o Sporting se tornou.
O que também me torna muito pessimista são os enormes erros de gestão de pessoal cometidos pelo Sporting. O que é que o FCP poderia saber acerca de Varela que os (ir)responsáveis do Sporting não soubessem. Porquê a preferência por Saleiro? ? Como explicar Matias Fernandez e Pongolle ? E agora o Izmaielov , contratam-se verdadeiras aventesmas e deixa-se escapar um dos poucos que ao longo dos anos vem mostrando verdadeiro profissionalismo.
Tem de sair o presidente , tem de sair muita gente , é toda uma estrutura de incompetência que tem de ser desmontada. Mas quem o poderá fazer ?
De jorge nespinha a 19 de Fevereiro de 2010 às 14:46
caro joel

Nada a acrescentar. Tem toda a razão.

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui