Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2009
publicado por JN em 11/12/09

Leio sobre os planos de Carvalhal para a reestruturação da equipa do Sporting e acho que continua a faltar o essencial. Para suplantar este ciclo, o Sporting precisa de extirpar de vez o que em Alvalade ainda reste de Paulo Bento. E o que em Alvalade ainda resta de Paulo Bento, mais do que qualquer outra coisa, é João Moutinho. Surpreendidos? Pois é essa a minha convicção: o Sporting precisar de vender Moutinho, mesmo que por menos dinheiro do que um dia ofereceram (se é que ofereceram) por ele. Nascido nas escolas do clube e nunca colocado perante qualquer desafio a sério, o nosso mui amado capitão virou, dentro do balneário, um símbolo do conformismo que marcou estes penosos quatro anos em que ficar em segundo era tão bom como ser campeão. Ainda pode ser um grande jogador, sim. Mas neste momento não é – e, sendo capitão, tem uma má influência sobre os restantes. Para nós, como para ele, o ideal seria uma transferência. Já no Inverno.


De resto, talvez me tenha enganado sobre o treinador. Apesar dos escassos oito meses de contrato com que foi cinicamente brindado, Carvalhal está, para já (repito: para já) a fazer quase tudo bem. Depois da lição de comunicação que deu a Paulo Bento, puxando pelas hostes e dando pequenos sinais de insubmissão para com o miserabilismo directivo, chega a hora da lição de futebol. E a lição de futebol não começa naquele jogo de Setúbal (que não foi tão mau como isso, que não foi tão mau como isso). A lição de futebol começa na própria elaboração do plantel. E o plantel do Sporting, requerendo reforços, requer antes uma drástica limpeza de balneário. Pois aí está a primeira medida: a dispensa de Angulo, que só quatro cabecinhas como as de Paulo Bento, Pedro Barbosa, Miguel Ribeiro Teles e José Eduardo Bettencourt podiam ter engendrado como “reforço”. A acreditar nos jornais, aliás, as próximas saídas seguem dentro de momentos: André Marques, Saleiro, Caicedo – pelo menos metade dos jogadores que todos sabíamos não terem as mínimas condições para jogar no Belenenses, quanto mais no Sporting.

No mais, não, não está tudo bem. Mas estes são, aparentemente, tempos de mudança mesmo. Mesmo José Eduardo Bettencourt, que até à contratação de Carvalhal apenas revelara talento no manejo da maraca, aprendeu a (resistamos à tentação do trocadilho óbvio do “fechar a matraca”) calar a boca. Mais: de Salema Garção, não se sabe o que seja – e de Sá Pinto, o mais que se conhece são aqueles saltinhos no banco. Basicamente, parece tudo centrado no treinador, que é em quem as coisas verdadeiramente devem estar centradas. E, para isso, nem sequer foi preciso ir buscar o novo Mourinho. Aliás, de novos Mourinhos, diga-se, vai ficando o inferno cheio. Vilas Boas levou um tareião na Luz – e o melhor que soube argumentar foi que, no seu douto entendimento, 4-0 não configura uma goleada. Paulo Duarte era um ídolo em França, um fenómeno verdadeiramente dos demónios – e acabou por ser “só” o primeiro treinador a ser despedido no campeonato de 2009-2010.

Definitivamente, os mitos vão ruindo, um a um. E eu gostava que o próximo fosse João Moutinho. Até para que ele possa provar que efectivamente merece um. Ficando no Sporting, já não passa disto.


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 11 de Dezembro de 2009

2 comentários:
De Jota a 15 de Dezembro de 2009 às 13:14
Não me quero gabar, mas já há uns três ou quatro anos que digo isso de Moutinho. A verdade é que, se compararmos as prestações do nosso capitão desde 2004/05 (já lá vão cinco épocas!!!) até hoje, concluímos facilmente que ele não evoluiu absolutamente nada. Pelo contrário, perdeu a frescura e a irreverência dos primeiros tempos. Muitos consideram que Moutinho é prejudicado por ser utilizado em demasiadas posições diferentes. Eu penso o contrário: ele é que ainda não provou ser excepcional em nenhuma dessas posições. Não sabe marcar bolas paradas, apesar da insistência; não consegue fazer um remate perigoso de longe, e de perto não é muito melhor (a imagem de marca de Moutinho é jogar as mãos à cabeça após mais um remate disparatado - como se ficasse eternamente surpreendido pela sua falta de capacidade); não é, claramente, uma personalidade aglutinadora no campo; é muito mau a expressar-se fora dele (a sua frase chave após cada desaire é "não há explicação"). Em suma, Moutinho é cada vez mais prejudicial ao Sporting. Tal como o era Sá Pinto, no seu tempo. Mas se queremos continuar a ser os medíocres miserabilistas que temos vindo a ser, fazemos bem em continuar a contar com esta gente.
De jorge espinha a 16 de Dezembro de 2009 às 11:57
caro Joel

O ideal , era fazer uma verdadeira purga. Toda a equipa para fora!
Bem sei que não é possível, mas se fosse exequível, era começar nos infantis e correr com todos , o Sporting sofre duma doença moral. O vírus, ou melhor o cancro já está metastisado. Se fosse possível deveríamos começar do zero. Boa parte dos dirigentes , com a excepção de alguns ilhéus de excelência na academia , deveriam ser corridos.
Mas como tal revolução não pode ser feita, para lá de Moutinho também poderia ir o Liedson, sei que sem ele estes 4 anos teriam sido piores mas as suas últimas declarações, confirmam-o como o sonso que eu há muito penso que ele é. Obrigado Levezinho , por tudo o que fizestes mas está na hora de dizer adeus (é caro mas creio que valeria a pena)

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui