Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009
publicado por JN em 2/10/09

Perguntassem-mo em 1983 e eu seria claro: “Sim.” Perguntassem-mo em 1987 e eu treparias paredes: “Obviamente!” Perguntassem-mo em 1989 ou em 1994, em 1999 ou em 2005 – e, ainda assim, eu pendurar-me-ia no pescoço do Marquês de Pombal, com um archote aceso numa mão e uma garrafa de gasolina presa entre os dentes, prontinho a imolar-me pelo fogo: “Mas é claro que sim! Todos os dias! Cada vez mais! Uma vergonha! Mas será que ninguém mais vê? Como é que é possível? Estes anos todos… Um escândalo!”


Enfim, perguntasse-mo a mim ou a qualquer outro sportinguista do passado ou do presente, em tempos de triunfo ou de desaire, em referência aos seniores, aos juniores ou (até) à equipa de futsal – e nós diríamos sempre que sim. “O Sporting é prejudicado pela arbitragem?” “Mas é claro que é. Mais do que prejudicado: roubado! Mais do que roubado: escandalosamente roubado!” Penáltis sonegados, foras-de-jogo inventados, jogadores erradamente expulsos, golos mal anulados a nós e golos mal validades ao adversário – houve de tudo (e mais alguma coisa) ao longo destes últimos trinta anos.

Não é preciso dar grandes explicações: o ressentimento, já se sabe, é parte da nossa natureza (e não só da nossa, não só da nossa) – e, logo a seguir ao ressentimento para com o Benfica, vem, inevitavelmente, o ressentimento com o árbitro. Portanto, quando Paulo Bento contesta o trabalho de um árbitro – qualquer árbitro em qualquer jogo que o Sporting dispute – nós somos os primeiros a ouvir as campainhas tocar no fundo da memória. Mas é óbvio que Paulo Bento tem razão. É óbvio que o Sporting tem razão. E, se não tem razão agora, fica pelas outras vezes todas que foi roubado sem reparação.

Agora, esta arbitragem em concreto, por favor, não. Nesta semana em particular, por obséquio, não. Ainda aqui há dias o Sporting conseguiu dar uma volta quase impossível ao jogo com o Olhanense por causa de uma grande penalidade que mais ninguém, para além do árbitro, descortinou. E, por muito má que tenha sido a arbitragem de Duarte Gomes no clássico do Dragão (e, de resto, por muito absurda que tenha sido, porque foi, a sua nomeação para o jogo), nenhum dos seus vários erros, individualmente ou em conjunto, se compara ao que acontecera dias antes em nosso benefício.

A única coisa que posso encontrar por detrás do discurso de Paulo Bento, para além da simples revolta pelo desaire, é o início de uma estratégia para corroer o sistema por dentro até que, enfim, o Sporting possa contar com o mesmo tratamento que os árbitros dispensam aos principais adversários. Foi isso que fizeram Roquette e Dias da Cunha, de resto ambos eventualmente campeões – e talvez insistir na guerra à arbitragem efectivamente volte a pôr em sentido quem se ocupa do apito (e, de resto, dos homens do apito).

Para já, porém, a verdade é esta: ninguém nos respeita. É a melhor prova do quanto nos deixámos fragilizar com este discurso dos pobrezinhos impotentes. E, portanto, aconselha-se contenção: desta vez, e pelo menos no que diz respeito aos 90 minutos do Dragão, Duarte Gomes é inocente de mais para diabolizar com um mínimo de credibilidade.


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 2 de Outubro de 2009

1 comentário:
De jorge espinha a 8 de Outubro de 2009 às 10:05
Os árbitros? Mas acredita realmente você que foram eles a razão da irrelevância do Sporting nos últimos 20 ou 30 anos? Eu não acho. Se há um fio condutor nas últimas 3 décadas em Alvalade esse é a falta de qualidade. Falta de qualidade de jogadores, dirigentes , treinadores e sobretudo a ausência de uma cultura de trabalho. Fala-se do FCP e eu antes de pensar em máfia (que também penso) penso na entrega dos seus jogadores e na cultura de trabalho.
Também não percebo de que maneira pode uma equipa beneficiar duma constante guerrilha com os árbitros. Não subscrevo por exemplo as partes gagas do Mourinho. Mas estou disposto a ser convencido. De que maneira sacudir a água do capote para cima dos árbitros galvaniza uma equipa de futebol? Em química existe um conceito importante : o passo fundamental de uma reacção, se esse for lento a reacção é lenta , é a etapa que define todo o processo, existem é certo outros passos mas esses têm uma influência muito pequena na velocidade e no rendimento da reacção química.
Posto isto qual o passo fundamental para ganhar um campeonato? A qualidade do jogo e dos jogadores, a meu versão o passo fundamental da reacção futebol . Sim , os árbitros também contam , mas quando se joga tão mal, serão eles relevantes?
4 anos de estabilidade , com jogadores jovens , o mínimo que se esperaria é que a "performance" desportiva melhorasse. Podiam não superar o SLB e o FCP , mas que melhorassem . Mas não. Penso por vezes que o SCP é como o PSD : Irreformável.

Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui