Sexta-feira, 5 de Junho de 2009
publicado por JN em 5/6/09

Houve um tempo em que, para mim, o futebol também era isto: a possibilidade de fazer um segundo “balanço do ano”. Em Dezembro faziam-se as contas às tragédias planetárias, às figuras portuguesas, às finanças pessoais. Em Junho faziam-se as contas aos títulos ganhos, aos reforços prometidos, às esperanças cultivadas. Português e sportinguista, raramente me restava grande balanço. Mas, bem vistas as coisas, havia sempre uma mão para lavar a outra. Dinheiro, nunca tinha – mas, apesar de tudo, as grandes tragédias ocorriam fora de Portugal. Títulos, também não – mas, mesmo assim, restava sempre a esperança.

Nada disso aconteceu este ano. O mundo vai às cambalhotas, o país também. Há tragédias, há recessão, as figuras a quem entregámos o nosso destino já nos pareceram bem mais fiáveis do que antes – e, ainda por cima, desde há dois anos que virou moda chover até Junho. Entretanto, a outra mão está suja também. Pelo menos a minha. O Sporting foi a tristeza a que já nos vamos habituando. A selecção vai, como se previa a partir da contratação de Carlos Queiroz, pelas ruas da amargura. Pauleta, o único futebolista que me emocionou nas últimas décadas, pendurou as chuteiras. E o Santa Clara, que dominou a Liga Vitalis durante boa parte da temporada, acabou por não conseguir regressar à primeira divisão.

Às vezes apetece-me pedir que o mundo seja menos mundo, que Portugal seja menos Portugal, que o Sporting seja menos Sporting – e, aliás, que o futebol seja menos futebol. É tudo tão cinzento, tudo tão triste, que um homem chega a desejar que o ano e que a época não acabem nunca, de forma a não ter de fazer balanços – e que, aliás, o ano e a época seguintes não comecem nunca também, de forma a não ter de dizer a si próprio que não vale a pena ter esperança. É por isso, suponho, que vão triunfando livros como os de Paulo Coelho, palestras como as do senhor Al Gore ou partidos como os do doutor Rui Marques e da doutora Laurinda Alves. Ou muito me engano, ou os leitores de Paulo Coelho, os ambientalistas apressadinhos e os eleitores (?) do MEP são todos portugueses e sportinguistas: estão desesperados e precisam urgentemente de acreditar em alguma coisa.

O meu clube vai hoje a eleições.  No FC Porto estão contratados Pereira e Maicon. No Benfica fala-se de Shaffer e Gomi. No Sporting sabe-se que são precisos “reforços”, mas nem nomes existem ainda. Se algum nome ouvimos nos últimos tempos, foi o de Diego Batista, um miúdo de Esposende de nove (9) anos, que se instalou na Academia de Alcochete como potencial futura estrela. Quanto ao resto, ficamos à espera das sobras e do “custo zero”. Nem sequer a renovação de Liedson foi concretizada. E isto em semana de eleições: precisamente quando os candidatos (e os próprios regimes) mais pressionados deveriam sentir-se a fundar a esperança. Sim, o Sporting é de facto um clube diferente. Mas, por esta altura, não consegue provar que seja diferente para melhor – e, aliás, nem sequer se preocupa com isso.

Esta coluna interrompe-se agora, para férias. Bem gostaria eu de estar aqui a falar-vos dos reforços do Sporting e das nossas muitas expectativas para a próxima temporada. Acontece que já ouvi falar de apenas “dois médios e um avançado” – e sei que, a menos que se trate de Kaká, Messi e Cristiano Ronaldo, dois médios e um avançado não chegam. Resta-me o balanço do ano. E quão deprimente é ele…


CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 5 de Junho de 2009

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui