Sábado, 14 de Maio de 2011
publicado por JN em 14/5/11

Não vale a pena disfarçar: para um homem da minha provecta idade, uma rapariga como Kate Middleton, com a idade de Kate Middleton e a silhueta de Kate Middleton e a ligeira mas indisfarçável malícia que Kate Middleton esconde sob o olhar de princesa, pode bem ser mais do que suficiente para reatear a centelha da paixão, se ainda é reateável tal coisa, após estes anos todos (como é que se dizia na minha meninice, há tantas e tantas décadas?) a ver com os olhos e a comer com a testa. Bastará, para tal, estarem um dia reunidas duas ou três importantes condições: haver apenas cinco mulheres no mundo e as outras quatro estarem ocupadas, terem sido retirados do mercado os derradeiros exemplares em DVD de Uma Canção Para Bobby Long, com Scarlett Johansson aos vinte anos, e estar a chover de tal maneira que ambos os campos da Aroeira se encontrem impraticáveis.


Quanto ao resto, lamento muito, mas Kate Middleton é dona de uma beleza bastante banal, categoria amplamente menos excitante do que a das mulheres portadoras de uma fealdade especial – e ao seu príncipe não se poderá fazer melhor elogio do que sublinhar a injustiça de se encontrar precocemente careca e de ter levado com uma prancha na cara, parecida (a prancha, isto é) com aquela com que o Coyote levou quando perseguia o Papa-Léguas sobre um chão de tábua corrida ainda mal pregado ao solo. Donde (e só por isto já valeu a pena escrever este texto: pela oportunidade de começar um período com a palavra “donde”) dizer que se tratou do “casamento do século”, o número meio circense a que pudemos assistir aqui há uns dias pela TV, não passa provavelmente de um daqueles chavões jornalísticos a que nenhum de nós alguma vez escapou, tipo “pedrada no charco” ou “elefante em loja de cristais” (no pun intended).


Casamento do século era se pudessem subir novamente ao altar Ted Hughes e Sylvia Plath, pelas razões óbvias. Casamento do século era caso Sartre e Simone de Beauvoir voltassem à Terra para revogar o seu statement filosófico-conjugal, por razões mais óbvias ainda. Casamento do século era em tendo casado neste século os pais de Lionel Messi, por razões sobre todas as demais óbvias. Já isto foi apenas mais um casamento igualzinho a outro que vimos há trinta anos, à partida com a mesma utilidade festivaleira do outro que vimos há trinta anos, mas por azar com dois mocinhos sérios nos principais papéis, o que na melhor das hipóteses o tornará notável no momento da apresentação dos rebentos, ao longo da cerimónia de coroação e no dia em que Kate, com quase toda a certeza já bem velhota, for ao cemitério entregar o amo ao Deus de Henrique VIII, que isto é mesmo assim, elas comem menos gorduras e duram mais e não há nada que a gente possa fazer quanto a isso.


Sobre o comportamento dos súbditos ingleses, não tenho muito a dizer, a não ser que cada povo tem a tradição tauromáquica que merece. Já que Portugal tenha paralisado para assistir a tal coisa, incluindo directos de três estações e seis canais de televisão, manchetes nos jornais todos, comentários de figuras de Estado e astrólogos, fóruns na rádio e vox pop dispersos por todo o país, pois não me ocorre outra explicação senão um entendimento um tanto largo das teses de Lorenz – vocês sabem, o da Teoria do Caos, do Efeito Borboleta, etecetra e tal –, na inusitada presunção de que as endorfinas libertadas pelo acto de pensar perpetrado (é que é mesmo essa a palavra, perpetrado) por uma reformada de Vila Velha de Ródão seja suficiente para provocar um tufão na longa tradição dos casamentos reais britânicos e este para subverter a ordem das coisas e instalar o caos.


No mais, saúde-se a circunstância, e apesar dos percalços da História, de as gerações de cronistas sociais lusos continuarem a renovar-se adequadamente. Bem vistas as coisas, a cobertura que a TV portuguesa dedicou ao casamento de William e Kate, com Júlia Pinheiro e João Adelino Faria e Manuel Luís Goucha e tantos outros, todos eles como que sonhando-se no papel da princesa, foi tão pindérica como teria sido no passado, se não mesmo mais. Por mim, tomei a decisão certa e vi na Sky. A bimbalhice disfarça muito melhor quando é em inglês – e na Sky sempre são menores os riscos de apanhar o Cláudio Ramos vestido de noiva. Isso, sim, são riscos a que um homem não deve submeter-se de ânimo leve.









CRÓNICA ("Muito Bons Somos Nós")


NS', 14 de Maio de 2011


(imagem: © www.dailymail.co.uk)








2 comentários:
De Margarida a 14 de Maio de 2011 às 15:15
De Manuel Carvalho a 14 de Maio de 2011 às 23:20
O mundo parou para ver o Príncipe William se casar com Kate Middleton. Em Londres, a multidão aglomerou-se em volta da Abadia de Westminster, onde aconteceu a cerimónia, e do Palácio de Buckingham, onde os recém-casados trocaram o primeiro beijo. Mais de 2 mil milhões de pessoas acompanharam o evento pela TV e pela internet.
O príncipe William e sua futura esposa, Kate Middleton, terão uma vida de casal muito difícil e, devido às infidelidades do marido, a união terminará em divórcio, prevêem astrólogos asiáticos e mestres de feng shui de renome. "Ambos são compatíveis. Um nasceu no Inverno e o outro no Verão", afirmou, por sua parte, Yeo Tinming, um dos mestres de feng shui mais conhecidos de Hong Kong. No entanto, apesar de se completar perfeitamente, o casal brigará muito, disse ainda Tinming, sem precisar a gravidade das brigas. Sobre a maternidade de Kate, Tinming mostrou-se mais optimista, afirmando categoricamente que a futura esposa do príncipe herdeiro ficará grávida em 2012.
A rainha Elizabeth, avó de William, deu seu consentimento formal para o casamento sob o histórico Grande Selo dos Realm. Ela assinou um documento aprovando a união, sem o qual o casamento seria considerado inválido.
William precisou pedir o consentimento da avó no âmbito da Lei de Casamentos Reais de 1772, que afirma que os descendentes de George II precisam ter a aprovação do monarca para se casar legalmente.
Diz a etiqueta britânica que nas cerimónias as senhoras devem usar chapéu, ou qualquer coisa parecida na cabeça. Ora entre todas as cerimónias que houve recentemente no Reino Unido, o casamento do príncipe William e Kate Middleton está no topo da lista, logo, festival de chapéus à vista. Desde os mais clássicos aos mais arrojados, passando pelos modelos que ninguém conseguia perceber, houve de tudo um pouco em termos de moda chapeleira.
E...Chapéus há muitos!



Comentar post

Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre o coração de Lisboa e a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002) e “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica e ao comentário, que desenvolve a par da escrita de ficção. O seu novo romance, “Os Sítios Sem Resposta”, sai em Abril de 2012, com chancela da Porto Editora. (saber mais)
pesquisar neste blog
 
arquivos
livros de ficção

"Os Sítios Sem Resposta",
ROMANCE,
Porto Editora,
2012
Saber mais


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE,
Editorial Presença,
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO,
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa
CRÓNICAS,
Porto Editora,
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicações Dom Quixote,
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui